Desde 1984
Geral
19 de Fevereiro de 2021
Vereadores debatem rotativo, transporte público e Settran como autarquia
Reprodução
O assunto trânsito repercutiu na reunião da Câmara de Vereadores nesta semana. O vereador Thiago Titó (PDT) pediu reunião entre os vereadores, representantes do Settran e da empresa TIMOB, que presta o serviço referente ao estacionamento rotativo em Monlevade, para esclarecimentos de dúvidas frequentes de usuários. Ele relembrou que, conforme contrato, 80% do valor arrecadado com a venda do estacionamento rotativo é destinado à TIMOB e 20% para a Prefeitura. “Esse valor não é direcionado ao Settran. Se o dinheiro vem do trânsito, tem que ser destinado ao setor”, opinou ele. O vereador ainda adiantou que apresentará uma proposta para criação de um Fundo Municipal de Trânsito. O vereador Fernando Linhares (DEM) também falou sobre o valor repassado à Prefeitura. 'Acho pouco apenas 20%', afirmou.

Thiago Titó também disse que o contrato vigente junto à TIMOB tem gerado dúvidas e descontentamento de alguns usuários. “Recebo reclamações inclusive sobre o veículo que passa com equipamento de vídeo pelas ruas e avenidas. Sobre isso, esclareço que o veículo não gera multa. Ele notifica o Settran sobre veículos estacionados sem o crédito do rotativo e os agentes do Settran geram a multa”, explicou Titó. Contudo, ele reiterou que os vereadores não foram informados sobre a implantação desse recurso tecnológico.

Fernando Linhares elogiou as medidas adotadas pela Prefeitura para mudar o trânsito e apresentou propostas. “Sugerimos a implantação de uma central de cargas, em que será feito o transporte de mercadorias às lojas e supermercados, focando o atendimento até as 9h e após as 18h”, disse ele. Rael Alves (PSDB) também parabenizou a Prefeitura pelas alterações.

Segundo o líder do Governo, Belmar Diniz (PT), é objetivo da Prefeitura fazer uma reavaliação da marcação do estacionamento rotativo nas áreas centrais e ruas adjacentes. “O prefeito Laércio Ribeiro quer acabar com essa demarcação nas áreas residenciais”, adiantou ele. Neste momento, Titó parabenizou o Executivo, mas destacou que o estacionamento rotativo virou uma “fábrica de multas”.

Settran como autarquia

Ainda no debate, Fernando Linhares defendeu que o Settran se transforme em uma autarquia, com meios próprios de arrecadação. A fala dele foi apoiada pelo vereador Revetrie Teixeira (MDB), que defendeu a implantação de uma Secretaria de Trânsito em João Monlevade. “O transporte público é uma vergonha. Atrasos de ônibus, tratamento dos funcionários, deixa a desejar. Somos uma cidade de mais de 80 mil habitantes e devemos nos portar como tal”, pediu ele. Pastor Lieberth (DEM) sugeriu o uso da verba de trânsito para o reforço às campanhas educativas.

Transporte Público

Gustavo Prandini (PTB), Dr. Presunto (PDT), Belmar Diniz e Titó lembraram que a Prefeitura deve avaliar, e a Câmara deve acompanhar, o contrato para prestação do transporte coletivo com a Enscon, que finaliza no próximo ano. Assim, caberá a renovação do contrato ou a abertura de concorrência com outras empresas. Eles ainda destacaram as principais reclamações da população: retirada do cobrador, implantação de roletas altas, higienização dos veículos, dentre outros.