Desde 1984
Geral
25 de Janeiro de 2021
Representantes de festas e eventos se reúnem com Laércio para propor retomada
O prefeito de João Monlevade, Laércio Ribeiro (PT), recebeu na manhã desta segunda-feira (25) representantes do setor de eventos que propuseram medidas de retomada do segmento. No encontro, a cerimonialista Cida Dornelas e a proprietária de buffet Barenze, Elizete Vidal, apresentaram um plano, assinado por 47 pessoas e empresas, para o que consideram ser um retorno gradual e seguro das festas no município. Segundo Elizete, o chefe do Executivo deve se posicionar em relação às demandas do segmento ainda nesta semana.

De acordo com Elizete Vidal, o setor já está nos limites do sacrifício, pois as últimas festas foram celebradas em meados de março, há mais de 10 meses. Ela e Cida Dornelas apontam que o segmento de eventos movimenta uma ampla cadeia de fornecedores, além de mobilizar um número considerável de funcionários, que têm um futuro incerto caso a pandemia se prolongue. O documento que entregaram a Laércio pontua que o setor possui várias similaridades com os bares e restaurantes, com a vantagem de não haver movimentação de dinheiro, de os convidados já terem um convívio prévio e de o número de presentes ser conhecido antecipadamente.

Após a reunião, realizada sem a presença da imprensa, Elizete demonstrou satisfação com o encontro, tendo percebido que o prefeito se mostrou empenhado e aberto a dialogar e chegar a uma solução consensual para o problema: “Queremos adotar os mesmos critérios aplicados para bares e restaurantes no programa Minas Consciente”

Propostas

O protocolo apresentado propõe que, nos primeiros 60 dias, seja autorizada a realização de eventos ocupando um terço da capacidade de pessoas no espaço, com o limite de 50 convidados, ou de uma pessoa a cada 4m² em ambientes fechados e uma pessoa a cada 10m² em ambientes abertos. Após 60 dias de funcionamento sem intercorrências, essa capacidade seria ampliada para até metade da capacidade de presentes no espaço. Nos eventos de tipo drive-in (dentro dos carros), cada veículo somente poderá ter metade de sua capacidade de ocupantes.

O plano propõe ainda que os eventos durem até cinco horas e forneçam álcool em gel, tapete sanitizante e aferição de temperatura corporal. O uso de máscaras também será obrigatório, com as proteções sendo trocadas de duas em duas horas. O ambiente deve permanecer sempre ventilado, e antes de entrar, o convidado deve fornecer endereço, telefone e Carteira de Identidade.

Durante esses eventos, sugere o protocolo, os presentes, as filas e as mesas devem estar separados por, no mínimo, dois metros de distância. Não será permitido o contato físico. Os funcionários devem trabalhar sempre usando equipamentos de proteção individual (EPIs), como luvas, óculos, aventais e máscaras descartáveis. Piscinas, lounges e espaços de lazer devem ser interditados, e as lixeiras devem ser sempre acionadas sem contato manual. Os convidados devem permanecer em suas mesas sempre que houver apresentação de músicos ou DJs, respeitando também o distanciamento em relação a cinegrafistas, fotógrafos e operadores para transmissão ao vivo.

Se o protocolo for aceito, a exposição de alimentos durante grandes períodos permanece vetada, assim como a recepção de produtos caseiros. Somente serão servidos produtos saídos diretamente da cozinha do buffet, além de pães, bolos e docinhos. Será obrigatória a proteção de doces e outros alimentos que fiquem nas mesas de decoração, de guloseimas ou nas áreas para crianças.

Caso o plano seja adotado, as festas infantis também ficarão restritas. Os piqueniques e as baladas com as crianças são suspensos, assim como as piscinas de bolinhas. Os outros brinquedos são liberados, desde que tenham higienização constante e conservem o distanciamento entre os usuários, que receberão as instruções de uso por parte dos monitores. Os convidados não poderão sair de suas mesas para cantar os parabéns. Por fim, o documento também propõe que todo o pessoal que trabalhe nesses eventos seja capacitado antecipadamente, e que engenheiros de saúde e segurança auditem as empresas e fornecedores.