Desde 1984
Geral
08 de Janeiro de 2021
“A Covid é uma loteria do mal e quem aglomera está brincando de roleta russa”, afirma monlevadense
Reprodução Instagram
Alex Passos e esposa Karla
Após ter 10% de chance de sobreviver, Alex Passos alerta para os cuidados com a saúde

O monlevadense Alex Passos, de 47 anos, ficou entre a vida e a morte por conta de complicações da Covid-19 no fim do ano. Ele chegou a ficar 13 dias internado na UTI em Belo Horizonte. Intubado, os médicos disseram que a chance de sobrevivência dele era apenas de 10%. Após deixar a UTI, ele fez vários vídeos nas redes sociais alertando para os riscos da doença. Segundo Alex, no início, os sintomas foram amenos, mas, depois, o quadro de saúde ficou mais grave. Ele foi intubado e chegou a um dos piores estágios da doença.

Alex é sobrinho do fundador do A Notícia, Márcio Passos, filho de Ivan Passos, (já felecido) ex-diretor do jornal e mora na capital mineira desde a juventude. Ele trabalha como produtor musical, dirigindo e produzindo vídeos clips gospel no Brasil e também no exterior.

Para ele, a experiência da Covid foi muito difícil e que apesar dos cuidados, foi contaminado. 'Eu me cuidava, mas não da forma que deveria, eu poderia ter me cuidado mais. Muitas pessoas acham que é questão de política, que é exagero das mídias, nunca acha que vai ser comigo, vai ser sempre com o outro, então isso me deu um pouco mais de responsabilidade social também. E, obviamente, essa coisa que é normal de quem passa por uma situação de quase morte, de gratidão, de valorizar cada coisa que você vive, que você tem, perceber que as coisas valem muito menos que as pessoas... A gente corre tanto e perde tanto tempo com coisas que passam, que são perecíveis', disse ele.

A família ficou muito abalada e apreensiva com a situação. Aguardando com angústia por uma recuperação, a esposa dele, Karla Passos, não conseguiu contar para os filhos toda a situação até que ele recebesse alta. Os meninos, de 11 e 14 anos, só souberam da gravidade após a recuperação do pai. Karla conta que a internação foi assustadora e que a fé foi o que a manteve de pé: 'No segundo dia de UTI ele já foi intubado. Aquilo me assustou muito e eu senti o carinho de Deus, falando comigo naquele momento: 'Não tenha medo do que você está vendo'. Por vários dias, principalmente, à noite, o medo vinha, porque a situação era de dar medo, era de assustar, mas o tempo todo a minha fé falava mais alto', contou.

Após a experiência de quase morte, Alex Passos alerta para os cuidados preventivos e ressalta que nem mesmo os jovens estão isentos de viverem complicações. 'A Covid é uma 'loteria do mal', porque não é igual para todo mundo, cada corpo reage de um jeito, não importa a idade, se a pessoa é nova ou velha, saudável ou não. A probabilidade dos idosos é maior, mas não isenta os jovens saudáveis de pegar Covid e morrer. Então, quem vive em aglomerações, não respeita usar máscara, lavar as mãos, está brincando de roleta russa. É um sorteio, mas quem quer participar de um sorteio que vale a sua vida?', indaga. (Com informações G1).