Desde 1984
Geral
02 de Dezembro de 2020
Monlevade e cidades da região regridem para a Onda Amarela
O Governo do Estado decidiu. João Monlevade, as cidades da região, além de metade do estado, regridem para fases mais restritivas do Minas Consciente. Em publicação no fim desta quarta-feira (2), o Governo informa que sete regiões retornam para as ondas Amarela ou Vermelha e apenas três se mantêm na Verde.

O alerta é para reforçar a necessidade de cuidados por parte da população. Monlevade e municípios vizinhos pertencem à macrorregião Central. De acordo com as novas resoluções do Comitê Extraordinário Covid-19, deliberadas em reunião desta quarta-feira (2/12), a macrorregião Central e outras seis estarão na Onda Amarela, quatro na Onda Vermelha e três na Onda Verde. As restrições já começam a valer a partir de amanhã, quinta-feira (3).

Na Onda Amarela ficam proibidos: atividades artísticas, como produção teatral, musical e de dança e circo; cinemas, bibliotecas, museus, arquivos; parques, zoológicos e jardins; feiras, congressos, exposições, filmagens de festas, casas de festas, bufê; parques de diversão, discotecas, boliches, sinuca; bares com entretenimento (shows e espetáculos); serviços de colocação de piercings e tatuagens. Para avançar para a Onda Verde e continuar com essas atividades, as cidades precisam estar há 28 dias consecutivos na Onda Amarela, sem sofrer retrocessos durante esse período. O comércio em geral e os bares continuam em funcionamento, mas não podem ter música ao vivo.

Um dos principais motivos para a cautela neste momento é a identificação de uma alta de 27% no índice de contaminação da Covid-19 na última semana. Por causa desse quadro, as macrorregiões Centro, Centro-Sul, Norte e Oeste saem da Onda Verde e retornam para a Onda Amarela. Além delas, as macrorregiões Sudeste, Sul e Vale do Aço permanecem na Onda Amarela, estágio no qual são permitidos serviços como academias, salões de beleza, clubes, além do consumo em bares e restaurantes.

Apenas as macrorregiões Noroeste, Triângulo do Norte e Triângulo do Sul permanecem na onda verde, fase em que são permitidos serviços com maior nível de contágio, como cinemas e discotecas. Na onda vermelha, a mais rígida do Minas Consciente, com autorização apenas para o funcionamento de serviços essenciais - como farmácias, padarias e supermercados - foram incluídas as macrorregiões Jequitinhonha, Leste do Sul e Nordeste, além da manutenção da macrorregião Leste.

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, a regressão de metade das macrorregiões em Minas Gerais foi impulsionada pelo aumento de casos na última semana, reflexo principalmente das movimentações do período eleitoral.

'Tivemos um aumento da incidência em todas as regiões, não tivemos aumento proporcional de óbitos, mas estamos vendo o aumento por demanda de internações. Ainda há bastante leitos de terapia intensiva no estado como um todo. Mas é importante reforçar a necessidade de cuidado, de distanciamento e atenção da população durante todo o mês de dezembro', alertou o secretário.

Recomendações

Devido ao estado de alerta em Minas, a recomendação é para que as pessoas mantenham as medidas de distanciamento e isolamento social, além do uso constante de máscara e álcool em gel. 'De forma geral, oriento efetivamente que a sociedade preste atenção no distanciamento, evite sair de casa de forma desnecessária, evite aglomeração nas ruas e principalmente que evite festas e bares nesses próximos dias porque pode trazer risco para todos', disse Carlos Eduardo Amaral.