Desde 1984
Geral
20 de Novembro de 2020
“Tenho muita esperança de realizar uma grande mudança na cidade”
Julieta Bittencourt
Vinte anos após deixar o cargo de prefeito em João Monlevade, o médico Laércio Ribeiro (PT) retorna ao cargo de chefe do Executivo. Ele foi eleito com 14.434 votos e terá como vice, o atual vice-prefeito Fabrício Lopes (Avante).

Confira a primeira entrevista do prefeito eleito ao A Notícia. Ele fala que a prioridade em seu governo será cuidar das pessoas, principalmente do povo mais excluído. Laércio afirma também que fará auditoria no Departamento de Águas e Esgotos (DAE) e nas obras feitas com recursos de empréstimos. O prefeito eleito defende que a Associação São Vicente de Paulo, mantenedora do Hospital Margarida, seja montada com mais representantes da sociedade. Confira:

Entrevista prefeito eleito Laércio Ribeiro

<strong>A que o senhor atribuiu a sua vitória?</strong>

Em primeiro lugar, obrigado pela entrevista. A cidade queria uma mudança e eu fui escolhido. Minha trajetória limpa e minha experiência como bom prefeito acho que pesaram mais. E o trabalho da militância do PT e de todos os partidos da Coligação Juntos Por Monlevade. Fabrício teve papel destacado nisso.

<strong>O senhor escolheu para vice, o atual vice-prefeito, Fabrício Lopes (Avante). O que influenciou essa escolha?</strong>

Um jovem, cheio de energia, com futuro político pela frente e muito trabalho prestado para a cidade.

<strong>Como é retornar ao cargo de chefe do Executivo, 20 anos após tê-lo deixado?</strong>

Uma honra e uma alegria, pois fiz um bom mandato com muitas realizações.

O que o Laércio de hoje é diferente do Laércio de 20 anos atrás? O que mudou?

O mundo mudou e eu também. Hoje sou avô. Realizado na profissão, filhos criados. Família unida. Rosângela sempre ao meu lado em tudo. Vamos fazer um governo inovador com o auxílio das novas tecnologias, mas com o povo mais excluído como prioridade.

O que João Monlevade pode esperar da gestão Laércio e Fabrício?

Vou me dedicar integralmente e buscar cumprir nossos compromissos com a população. Tenho muita esperança de realizar uma grande mudança na cidade.

O senhor já tem nomes definidos para o seu secretariado? Pode adiantar algum?

Não tenho nomes. Prioridade agora é organizar a transição e ver a real situação da prefeitura por dentro.

Quando começam os trabalhos da equipe de transição? Quem vai compor essa equipe?

Giovani Silva, que foi coordenador da campanha, coordenará a transição. Semana que vem anunciaremos a equipe.

Como será executado o plano de 120 dias? Quais as principais ações?

Preparar a defesa civil para as enchentes é a prioridade número 1. As demais serão organizadas na transição.

Qual será a “bandeira do seu governo”?

Cuidar das pessoas. A pandemia não acabou, o desemprego só aumenta. O governo federal não mostra sinais de compromisso com essa situação. Fome zero em Monlevade minha bandeira. Várias ações estão programadas para atender a quem mais sofre com a crise.

A sua coligação contou com vários partidos, inclusive, com alguns nomes declaradamente antipetistas. Como o senhor lidou com essa situação?

Unimos para cuidar da cidade e das pessoas. O povo quer mudança. Estamos juntos pra isso.

Falando em vereadores, o senhor teve seis vereadores eleitos de sua coligação (Revetrie, Belmar, Pastor Lieberth, Fernando Linhares, Gustavo Maciel e Bruno Braga). Procede que o senhor vai tentar se aproximar dos vereadores da base do candidato Railton?

Vou conversar com todas as bancadas e buscar um trabalho de harmonia em prol da população. Monlevade quer paz e trabalho.

O que o senhor pretende fazer com o Hospital Margarida? O senhor concorda com a forma de gestão da casa de saúde? Haverá alguma intervenção? O PA continuará ali, por exemplo?

Temos uma parceria com o hospital que será mantida. O hospital pra mim tem que ser suprapartidário. Ele é da comunidade monlevadense e não pertence à prefeitura ou grupo político. E o conselho pra mim teria que ter a representação igualitária dos usuários, profissionais da saúde e mantenedores (poder público, convênios etc). Já tivemos uma primeira conversa.

O senhor vai fazer alguma auditoria na Prefeitura, Fundações e Autarquias?

No DAE com certeza precisamos fazer auditoria. Em outras áreas se precisa entender melhor, faremos, principalmente nas obras contratadas com dinheiro de empréstimo.