Desde 1984
Geral
30 de Outubro de 2020
Candidatos a prefeito já gastaram mais de R$600 mil
Lorena Silvestre
Prestações foram apresentadas à Justiça Eleitoral
Coligações apresentam balanço parcial de contas

Os cinco candidatos à Prefeitura de João Monlevade enviaram no último domingo (25) à Justiça Eleitoral uma prestação de contas parcial sobre suas campanhas. De acordo com os dados lançados até a tarde desta quarta-feira (28), quem mais arrecadou recursos foi o candidato Dr. Laércio (PT), da coligação “Juntos por Monlevade – Para Cuidar das Pessoas”, que conseguiu R$159.407,57. A seguir, aparecem Simone Moreira (PTB), da coligação “A Força que Vem do Povo”, que recebeu R$102.338,17. Na sequência, está Dr. Railton (PDT), da coligação 'Para Fazer Diferente', com R$99.248,40 arrecadados; seguido por Delci Couto (PSB), da coligação “Muda Monlevade”, com R$77,190,00. Quem menos obteve recursos foi Luiz Carlos, do Patriota: R$23.100,00. A soma das arrecadações de todos os candidatos chega a R$461.284,14.

Além da arrecadação, eles também lançaram as despesas pagas até o momento. O que mais ganhou, Dr. Laércio, também foi quem mais gastou: R$222.527,88. Em segundo lugar, está Delci Couto, com R$140.660,18, seguido por Dr. Railton, com despesas de R$139.789,71. Apesar de ser a segunda com a maior arrecadação, Simone Moreira foi a segunda a menos abrir o bolso, com despesas de R$95.145,08, enquanto que os menores gastos foram de Luiz Carlos, somando R$20.931,60. Assim, os candidatos já desembolsaram R$619.054,45.

O cruzamento entre os valores arrecadados e as despesas pagas, significam que três dos cinco candidatos operam no vermelho, com mais despesas que receitas. A coligação “Juntos por Monlevade – Para Cuidar das Pessoas” trabalha com déficit de 39% em suas finanças. A coligação “Fara Fazer Diferente” tem um buraco de 40%. Mas o maior rombo é o da coligação “Muda Monlevade”, de 82%. A chefe do Cartório Eleitoral de João Monlevade, Hortência Trindade, explica que essa situação é possível, pois “há gastos eleitorais que podem ser pagos em uma única vez, mas os gastos tem que constar na prestação na data de sua efetivação e não do seu pagamento”. A prestação de contas final deve ser feita até o dia 15 de dezembro.

Fundo especial

Três dos cinco candidatos usaram do chamado “fundo especial” para financiar suas campanhas. Delci Couto teve 27,4% de seus recursos oriundos do fundo, somando R$21.259,66. 60% dos recursos da campanha de Dr. Railton, ou R$62.549,04, vieram do fundo especial. Mas quem mais se utilizou dessa fonte, tanto em termos absolutos quanto proporcionais, foi Dr. Laércio: 62,04%, ou R$136.482,13. Por outro lado, Simone Moreira e Luiz Carlos não acessaram os recursos especiais.

A chefe do Cartório Eleitoral, Hortência Trindade, explica que o fundo especial para o financiamento de campanha é o equivalente ao antigo “direito de antena”: “uma inovação da lei que transferiu para os partidos o dinheiro que era destinado à propaganda partidária obrigatória que era veiculado no rádio e televisão”.