Desde 1984
Variedades
16 de Outubro de 2020
Dia do Professor - Há 50 anos, João Monlevade formava seus primeiros professores
O Dia do Professor, celebrado ontem (15), é tema de reportagem especial do A Notícia sobre os 50 anos da formação de seus primeiros professores. Confira:

O fim de 2020 marca o primeiro meio século de uma conquista educacional de João Monlevade. Há 50 anos, em 1970, colava grau a primeira turma de Licenciatura da então Universidade Católica de Minas Gerais (UCMG). O curso foi pioneiro na educação superior em João Monlevade e formou profissionais que até hoje militam na educação na cidade.

Nos anos 1960, João Monlevade crescia em torno da Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira. A cidade tinha escolas de ensino primário, secundário e técnico, mas faltava uma de ensino superior. Ao mesmo tempo, crescia a demanda por professores para as escolas. Por conta disto, duas iniciativas surgiram para trazer o “terceiro grau” para o recém-emancipado município: a Fundação Comunitária, Educacional e Cultural de João Monlevade (Funcec) e uma extensão da Universidade Católica de Minas Gerais (UCMG), instituição fundada em 1958 por dom Antônio dos Santos Cabral, arcebispo de Belo Horizonte.

A instalação foi fruto de uma parceria entre a universidade e a Associação Monlevade de Serviços Sociais (AMSS), que doou uma biblioteca básica e cobria o déficit financeiro gerado pelos cursos. Para organizar a extensão, participaram nomes notórios, como o do então reitor, o futuro cardeal Dom Serafim Fernandes de Araújo, o bispo de Itabira, Dom Marcos Antônio Noronha, e o professor Fábio Mathias Ferreira.

Em 1968, começam as aulas na extensão da UCMG em João Monlevade, que funcionou nos prédios do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), no bairro Vila Tanque, e da antiga Escola Estadual Padre Drehmanns, na avenida Getúlio Vargas, no bairro Baú. Foram ofertadas 160 vagas de licenciatura polivalente para Letras, Ciências Sociais e Ciências Exatas, oferecidos pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Santa Maria. O curso contava com professores residentes em Belo Horizonte, Nova Era, Itabira, João Monlevade e Coronel Fabriciano. Entre os mestres mais destacados, estão Marlene Machado Zica Vianna, professora de Literatura Brasileira; Íris Araújo Silva, professora de Francês; Guilhermina Hunsche, professora de Inglês; além do coordenador do curso a partir de 1970, professor Luís Aurélio Rodrigues de Andrade

Ao longo do curso, houve alguns percalços, como o temor de que o Ministério da Educação e Cultura (MEC) não o reconhecesse por não ser ministrado na sede da universidade. No entanto, o problema foi contornado, e a turma conseguiu formar-se na licenciatura curta em dezembro de 1970. Um dos formandos foi o professor Geraldo Eustáquio Ferreira, o “Dadinho”. Ele recorda que muitos dos colegas estudavam na UCMG enquanto trabalhavam em escolas da cidade: “Frequentar um curso superior na área de magistério, com horários conflitando com sua própria atividade de magistério em escolas da cidade não era tarefa fácil”.

Para complementar a licenciatura curta, foi lançada no ano seguinte uma licenciatura plena, que culminou em meados de 1972, cujos concluintes receberam os diplomas em 1976. Apesar do sucesso inicial, o curso logo supriu toda a demanda de professores nas escolas básicas. Em 1978, formou-se a última turma, e a Universidade Católica deixou João Monlevade.

Reencontro

Para relembrar e reviver essa história, uma comissão quer reunir os alunos da extensão em Monlevade. O encontro está previsto para o início do ano que vem. Os egressos da Católica podem contactar o professor Geraldo Eustáquio Ferreira (“Dadinho”) pelo (31) 9 8877-4381, ou também Gilberto ou Lelena pelo (31) 98010-9832, Dea Ebert pelo (31) 99153-5806 ou Maria Batista pelo (31) 98616-1828.