Desde 1984
Polícia
09 de Outubro de 2020
Servidora de Rio Piracicaba é presa e demitida por sumiço de computador
Erivelton Braz
Uma funcionária da Prefeitura de Rio Piracicaba foi presa na terça-feira (6) suspeita de furtar um computador. Por volta das 17 horas, uma das responsáveis pela Secretaria de Educação acionou a Polícia Militar ao prédio do Executivo. Ela dizia que seis computadores foram guardados na biblioteca depois da aplicação de um concurso público. No entanto, ao conferir os equipamentos no dia 21 de setembro, um deles havia desaparecido. Após uma procura infrutífera, ela decidiu verificar imagens de câmeras de segurança.

Segundo o Boletim de Ocorrências, as gravações mostravam a servidora M P M, 31, assessora técnica da Prefeitura, colocando o aparelho dentro de uma bolsa plástica; ela ainda portava outra bolsa. A polícia assistiu às filmagens, e não teve dúvidas de que a servidora, que trabalhava naquele dia como bibliotecária, era responsável pelo crime. Eles foram até a casa da mulher, no centro de Rio Piracicaba, e a questionaram sobre o desaparecimento do computador. Ela inicialmente negou, mas, ao entrarem na casa, encontraram um computador e um estabilizador no break muito semelhantes aos furtados.

Diante dos fatos, a mulher admitiu o crime e entregou um monitor aos policiais. Ela foi presa e levada para a Delegacia de Polícia Civil de João Monlevade, mas já está em liberdade. O crime foi registrado como peculato, que segundo o artigo 312 do Código Penal Brasileiro, constitui-se de “Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio”, com pena prevista de multa e reclusão de dois a doze anos. Na quarta-feira (7), ela foi exonerada do cargo de auxiliar técnico I pelo prefeito Sebastião Torres Bueno (O Tatá).