Desde 1984
Geral
18 de Setembro de 2020
Prefeita encaminha projeto de municipalização do Scharlé
Reprodução
Scharlé fica no bairro Vila Tanque
A prefeita Simone Carvalho (PTB) enviou à Câmara Municipal, projeto de municipalização da Escola Estadual Eugênia Sharlé, que fica no bairro Vila Tanque. A proposta foi lida na sessão de quarta-feira (16). A itenção da prefeita é regulamentar o que já existe na prática, já que a escola é mantida pela administração municipal.

Segundo mensagem da prefeita, entre os anos de 1999 a 2013, a Prefeitura, através de uma parceria com o Governo do Estado, cedeu professores, coordenadora e diretor para que a Escola Estadual continuasse oferecendo educação infantil e ensino fundamental para a comunidade.

Efetivamente, até 2013, a Eugênia Sharlé estava sob a responsabilidade do Estado e, desde então, passou a ser administrada pela Prefeitura, funcionando como o segundo endereço da Escola Municipal Germin Loureiro. Atualmente, 115 alunos da educação infantil e 304 do ensino fundamental estudam no local, conforme a Prefeitura.

Com a aprovação do projeto de lei, poderá abrir crédito adicional para a manutenção da escola, para contratação de servidores, além de prestação de serviços para manutenção da Eugênia Scharlé.

Histórico

Segundo a mensagem da prefeita, a Escola foi fundada em 1956, como Grupo Escolar Eugênia Sharlé. O nome é uma homenagem à esposa do então superintendente da antiga Companhia Siderúrgica Belgo Mineira, Albert Sharlet. Nessa época, a instituição não funcionava na avenida Aeroporto, onde está atualmente, mas à rua Vinte e Três, onde atualmente é o Senai Nansen Araújo.

Criada para atender à demanda na educação dos filhos de funcionários da empresa, a escola chegou a ter 900 alunos. Em 1964 mudou para o endereço atual. Quando João Monlevade foi emancipada em 1965, a Belgo Mineira transferiu para o Governo Estadual a responsabilidade de manter a escola.

Em 1978, passou a funcionar na instituição o pré-escolar, além de ser montada a biblioteca. Em 1986, a Eugênia Sharlé recebeu uma sala com recursos para pessoas com deficiência visual, atendendo a toda a comunidade monlevadense.