Desde 1984
Geral
14 de Agosto de 2020
Bares e restaurantes de Monlevade reabrem para clientes após seis meses
Impedidos de receber clientes para consumo no local, bares, lanchonetes e restaurantes de João Monlevade reabriram suas portas na terça-feira (11). A Prefeitura aderiu ao Programa Minas Consciente na segunda-feira (10) e definiu critérios a serem cumpridos pelos estabelecimentos, autorizados a funcionar plenamente, conforme protocolos definidos pelo Programa Estadual. Estes locais só podiam oferecer serviços delivery, mas agora voltaram a receber clientes. A medida libera os serviços alimentícios ambulantes e buffet.

Até a semana passada, a Prefeitura seguia a deliberação 17, por entender que a medida era mais flexível e atendia à maioria do comércio. Por exemplo, se estivesse no Minas Consciente desde o lançamento do plano, diversos setores, como lojas de roupas, calçados, artigo de cama e mesa, papelaria, entre outros, em funcionamento desde o dia 28 de abril, só seriam abertos esta semana.

A procuradora jurídica do município, Racíbia Moura, detalhou algumas das exigências para evitar o contágio da Covid-19. O uso de máscaras dentro desses estabelecimentos é obrigatório e a limpeza dos ambientes deve ser constante. As mesas devem estar dispostas com dois metros de distância mínima entre si, separação que também deve ser seguida por clientes de funcionários. Todo o material precisa ser lavado constantemente.

Os balcões de self-service ficam interditados e proíbe-se a degustação. Saleiros, açucareiros e recipientes similares devem ser retirados e substituídos por sachês individuais. As bebidas deverão ser servidas em copos descartáveis. Água e sabão são obrigatórios para higienizar as mãos de clientes e também conchas e pegadores.

Essas regras serão exigidas por, no mínimo, 28 dias, período exigido pelo Minas Consciente para passagem da onda amarela, onde Monlevade está atualmente, para a onda verde. Academias de ginástica, clubes, cinemas, teatros e estúdios de tatuagem e piercing somente podem abrir as portas na onda verde, que ainda não engloba nenhum dos 853 municípios de Minas Gerais.

No entanto, enquanto na cidade vizinha Itabira houve uma coletiva para a imprensa com todos os detalhes do retorno dos bares, o mesmo não aconteceu em João Monlevade. Aqui, ainda há algumas dúvidas, tanto de consumidores, quanto de donos dos estabelecimentos.

“Estou muito satisfeita de reabrir”

Para Denise Martins, do Clube da Cerveja, o momento é de ter esperanças. “Estamos satisfeitos de reabrir, de atender nossos clientes, estávamos com muitas saudades. Gostamos muito do que fazemos e fazemos com dedicação e amor. Agora é retomar com todos os cuidados e esperanças”, disse. Ela conta que, no primeiro dia de funcionamento, chegou a ficar tensa, mesmo seguindo os protocolos, temendo deixar algo para trás. A comerciante disse que ficou em dúvida sobre o horário de funcionamento, se teria hora marcada para fechar e consultou a Prefeitura. “Fiz tudo o que foi pedido: álcool gel nas mesas, distanciamento entre elas, uso de copos descartáveis. Alguns clientes não gostaram, mas pedi a compreensão. É um novo momento”, comentou.

Durante o período em que esteve fechado, o Clube da Cerveja fortaleceu o delivery, com entrega de almoços, petiscos e tira-gostos. “Fechados desde o dia 20 de março, precisamos adaptar para seguir em frente. Agora, adaptamos às normas e estamos aguardando a nornalidade. Se vai ser como era antes, não sei, até que surjam as vacinas. Continuamos trabalhando e rezando para tudo isso passar”, afirma.

“Prefiro esperar”

Por outro lado, há dono de restaurante que vai continuar mantendo os atendimentos por delivery, sem abertura do espaço ao público. É o caso de Márcio Suzuki, do Restaurante Tokyo. Mesmo podendo reabrir, conforme a regulamentação, ele afirma preferir manter os atendimentos por delivery, por questões de segurança. 'No nosso caso, retomar as atividades de imediato é temerário. Há funcionários do grupo de risco e a saúde deve ser prioridade. Por enquanto, continuaremos em home office, com os serviços de delivery e buffet, mantendo um padrão de higiene sanitária e garantindo mais segurança aos nossos clientes', afirma.