Desde 1984
Geral
14 de Agosto de 2020
Vereador diz que morte de comerciante foi assassinato
Após três anos de reclamações, desgaste e promessas, a parada de ônibus em frente ao posto Barrocar finalmente voltou à Praça Domingos Silvério. Vereadores criticaram a demora no regresso e o oposicionista Pastor Carlinhos (PL) disse que a morte de proprietário de imóvel foi assassinato e covardia feitos pelo governo Simone Carvalho (PTB).

Em novembro de 2019, a Prefeitura anunciou que o ponto voltaria para a praça, mas em janeiro deste ano, anunciou que seria feita uma pesquisa de opinião com os usuários. Se a pesquisa foi feita, não houve divulgação. No entanto, enquete feita pelo Jornal A Notícia, em 7 de janeiro deste ano, apontava que 93% queriam a mudança e 7% a permanência no local, em frente ao Posto Barrocar. Ainda em fevereiro deste ano, o então assessor de Comunicação, Will Jony Gomes Nogueira, afirmou acreditar no retorno do ponto de ônibus, sinalizando a intenção do governo, concretizada seis meses depois.

Na entrevista à Global, Ananias disse que, numa primeira sondagem, o público queria a manutenção da parada na avenida Wilson Alvarenga, mas na segunda, a “esmagadora maioria” dos passageiros queria o retorno para a praça Domingos Silvério. Isso, somado a uma manifestação formal dos proprietários do imóvel, levou o Executivo a providenciar a mudança, depois de três anos de polêmicas e a três meses da eleição.

Com a mudança, os ônibus que saem dos bairros de Lourdes e República param na Praça Domingos Silvério. Já as linha que vêm do Santa Bárbara, param no novo ponto, próximo ao restaurante Cabritim, no trecho do Novo Centro. O chefe do Setor de Trânsito e Transportes (Settran), Brenno Lima, afirmou que a Prefeitura providencia placas informativas de quais linhas param em cada um dos pontos.

Assassinato

O assunto repercutiu na reunião desta semana na Câmara Municipal. O vereador Pastor Carlinhos (PL) foi duro em sua fala e disse que a mudança foi “covardia” e assassinato. Ele recordou que a alteração resultou em duas lojas fechadas e falou da morte do proprietário dos imóveis. “Foi tanta covardia, que o proprietário da loja veio a falecer. Isso foi assassinato”, acusou o parlamentar. O líder da prefeita, Sinval Dias (PSDB), acusou Pastor Carlinhos de usar o falecimento apenas para atacar a prefeita. Para polemizar, Sinval relembrou quando Pastor Carlinhos retirou o crucifixo do plenário da Câmara, em 2012, quando era presidente da Casa. “Você ofendeu todos nós católicos”, disse Sinval Jacinto. Carlinhos retrucou: “o senhor está muito longe de mim para debater religião”.

Governo amador

Já o vereador Guilherme Nasser (MDB) considerou que o governo foi “amador” na condução do problema do ponto de ônibus, e que a ação da administração ajudou na morte do proprietário do imóvel que teve a fachada ocultada pela parada. Em resposta a Nasser, Sinval Dias ironizou a fala do ex-aliado: “Você esteve por quinze anos dentro desse ‘governo amador’, e eu até te agradeço por nos ter ajudado a conquistar o que conquistamos”.