Desde 1984
Geral
31 de Julho de 2020
Em um mês, gastos contra Covid-19 mais que dobram
A Prefeitura de João Monlevade já gastou R$2,6 milhões com o combate ao coronavírus. Os dados foram divulgados pelo Executivo no portal da transparência das despesas com a doença, cuja última planilha abrange os pagamentos feitos até o dia 17 de julho. O valor é mais que o dobro que aquele pago no mês anterior: a tabela relativa ao dia 18 de junho mostrava que R$1.127.025,02 haviam sido depositados nas contas de fornecedores e prestadores de serviço.

O maior gasto continua sendo com os repasses feitos à Associação São Vicente de Paulo, mantenedora do Hospital Margarida, que recebeu R$1.340.633,90 para enfrentar a pandemia, valores já completamente quitados.

Novas despesas, que não estavam relacionadas na planilha de 18 de junho, estão presentes agora. Dentre elas, a maior é a compra de merenda escolar, fornecida pelo Super Comercial Bela Vista Ltda., ao custo de R$70.828,70. A mesma empresa já havia recebido outras encomendas para alimentação de estudantes durante a pandemia.

Também já contratada anteriormente, a Padaria Mayrink Ltda. receberá R$265,64 para vender lanches, que serão destinados aos servidores públicos. No contrato, já foram feitos quatro compras na Padaria, que somam R$3.379,96. Pela venda de refeições para funcionários de plantão, Marcos Vinícius Martins Dornelas já recebeu R$2.463,30 e ainda tem a receber R$1.400,70. A aquisição de capa PE impermeável, feita à Prevemax Confecções Plásticas Ltda. ao custo de R$939,75, já foi depositada.

Hospital de Campanha

O Hospital de Campanha montado pela Prefeitura, mesmo sem funcionar, já consumiu cerca de R$195 mil. O local atenderá pacientes com sintomas leves do novo coronavírus e que precisam de internação. O espaço está sendo montado para atender à demanda, caso os leitos disponíveis no Hospital Margarida sejam insuficientes. O local dispõe de 68 leitos, mas não tem respiradores artificiais.

Segundo a Prefeitura, mesmo sem respiradores, o hospital de campanha atende exigências do Ministério da Saúde para internação de pacientes com sintomas de baixa e média complexidade. No entanto, por isso, pacientes com quadros mais graves não poderão ser atendidos na estrutura montada no prédio da Secretaria Municipal de Saúde.

Recentemente, foram três despesas pagas referentes a materiais de escritório. Para vender cadeiras, Vítor Silvestre Felício – ME será pago em R$548,00. A Achei Distribuidora Ltda. receberá R$4.120,00 para fornecer mesa de escritório para o hospital, que foi montado na sede da Secretaria de Saúde. O arquivo de aço, comprado junto à Ativa Licitações Empreendimentos Comerciais Ltda., custou R$10.840,00. Todos estes valores ainda devem ser quitados. Na relação publicada pela Prefeitura, não é possível saber se foram comprados apenas um ou vários desses itens.

Outros gastos

Maria das Graças Paixão Domingues recebeu dois pagamentos, de R$3.200,00 e R$1.560,00, para vender envelopes para a correspondência de materiais dos alunos. Já Pedro Henrique Ferreira Domingues e Rita de Cássia Oliveira serão pagos, cada um, em R$6.301,80 para veicularem campanhas sobre o coronavírus. A planilha completa e as notas de empenho e liquidação podem ser acessadas no site http://pmjm.mg.gov.br/pagina/49_CONTRATACOESAQUISICOES-COVID-19.html.

Empenhos

Ao todo, durante a pandemia, a Prefeitura de João Monlevade empenhou R$3.184.885,11, mas alguns não foram executados. Entre esses valores, estão as despesas para cercar praças de vários bairros da cidade. O aluguel anunciado poderia chegar a R$202.500 por seis meses. O contrato foi suspenso, após grande polêmica e repercussão negativa. Após denúncia, o Ministério Público investiga possíveis irregularidades.

De acordo com o contador Adilson Arlindo Carlos, da Prefeitura de João Monlevade, ainda assim, foram gastos R$48.615,00 pelo aluguel das grades. Porém, segundo o site da Prefeitura, foram liquidados somente R$25.825 daquilo que estava empenhado. A Prefeitura fez uma licitação para adquirir as grades e deve gastar cerca de R$88 mil na compra de 649 grades, para substituir as alugadas.