Desde 1984
Geral
26 de Junho de 2020
Um ano depois, Novo Centro recebe mais críticas que no lançamento
Sábado, 29 de junho de 2019, meia-noite. A abertura da ligação entre as avenidas Gentil Bicalho e Wilson Alvarenga, no bairro Carneirinhos, marca o início do projeto Novo Centro, mais ambiciosa empreitada de mobilidade do governo Simone Carvalho (então no PSDB). Nos dias seguintes, uma direita livre foi implantada, pontos de ônibus foram modificados e várias inversões de sentido de ruas foram feitas na região central de João Monlevade.

As alterações causaram uma chuva de críticas. Numa enquete lançada na página do A Notícia no Facebook à época da implantação, 64% dos internautas manifestaram reprovação à iniciativa. Vídeos circularam nas redes sociais mostrando longas filas de veículos, principalmente, na altura da praça Domingos Silvério, que seguiam no sentido Hipermercado. Vereadores oposicionistas apontavam o dedo para a ausência de um projeto de viabilidade. Empresários foram à Prefeitura pedindo a reversão das mudanças.

Chefe do Serviço de Trânsito e Transporte (Settran), Brenno Lima se defendia, classificando a obra como “corajosa”, e dizendo que, caso alguma mudança não alcançasse o resultado desejado, ela seria revertida. Ele garantiu que, em seis meses, a população sentiria as vantagens do projeto, e assumiu toda a responsabilidade sobre as intervenções.

Em 7 de janeiro deste ano, empresários e comerciantes queriam reunião com a prefeita Simone Carvalho, reivindicando o retorno das mudanças, alegando que o Novo Centro deu errado. A prefeita sequer os recebeu e o chefe do Settran pediu 30 dias para deliberar sobre as mudanças. Porém, até hoje, nenhuma resposta oficial foi dada aos comerciantes.

Enquete

Na próxima segunda-feira (29), o Novo Centro completa um ano de implantação. O A Notícia novamente consultou os internautas do Facebook e do Instagram para saber se eles aprovavam ou não a iniciativa: “Em 29 de junho de 2019, a Prefeitura de João Monlevade deu início ao projeto Novo Centro, que modificou o trânsito na região do bairro Carneirinhos. Passado um ano, você aprova as mudanças viárias implantadas pelo projeto?”

Em dois dias, foram 131 respostas, todas elas manifestando reprovação às modificações. Houve apenas duas menções de apoio às intervenções. No Facebook, Melyna Cordeiro escreveu: “O trânsito piorou demais na região central após as mudanças. Ficou horrível. Congestionamento demais e o trânsito super agarrado. E se houver qualquer batida não se tem saída”. Outra que reclama é Viviane Marcela: “Péssimo. Demora mais do que antes para chegar aos lugares. Os retornos ficaram muito mais longe. Só atraso. Quando vou a João Monlevade, preparo a paciência um dia antes”.

As críticas também se estendem ao Instagram, como Aline Vieira: “Ficou bem ruim. Esse cruzamento adiante na imagem [ligação da Getúlio Vargas com Wilson Alvarenga], principalmente. Pedestre sofre para atravessar. Como um todo, é nítido que faltou conhecimento técnico e planejamento adequado por parte dos envolvidos”. Tina Costa chegou a lançar um slogan irônico: “’Não há nada tão ruim que não possa piorar’. Essa é a frase perfeita para esse ‘Novo Centro’”.

Muitos questionam se houve um estudo de impacto realizado para justificar a obra. Uma delas é Waléria Bicalho: “Não há nenhum conceito técnico que seja referência para as alterações executadas. Pelo contrário, destruíram ligações importantes entre os bairros e os extremos de nossa cidade, além de extinguir dezenas de vagas de estacionamento para o comércio”. Harrison Cruz também toca nessa questão: “deveriam ter contratado (legalmente e sem interesses pessoais) uma empresa de consultoria em trânsito e estudar o que poderia ser feito e acredito que isso não foi feito”. Gê Paiva também pede mais profissionalismo na gestão viária: “Monlevade precisa de pessoas capacitadas para fazer as devidas e reais mudanças no trânsito. Do jeito que está, virou um caos”.

Para Settran, Novo Centro está aprovado



Questionado sobre qual avaliação o governo Simone faz do Novo Centro, o chefe do Settran, Brenno Lima (foto), afirma que as mudanças foram positivas. Para ele, houve sucesso na implantação. “Alcançamos o objetivo de atender a maioria da comunidade”. A Notícia ainda indagou qual nota ele daria para as obras, mas o chefe do Setrran não respondeu.

Ainda questionado se haveria mais mudanças, Brenno anunciou que a Prefeitura vai trocar a iluminação das avenidas Getúlio Vargas e Wilson Alvarenga por lâmpadas de Led e vai fazer um calçadão na Getúlio Vargas, ao longo do centro comercial. Sobre as críticas, o chefe do Settran disse que “toda mudança gera críticas, sugestões e elogios”.