Desde 1984
Geral
26 de Junho de 2020
Em um mês, Monlevade registra aumento de 712,82% nos casos de Covid-19
Em trinta dias, João Monlevade registrou grande aumento nos casos de coronavírus. Conforme levantamento feito pelo Jornal A Notícia, entre os dias 25 de maio e 25 de junho, houve um salto de 39 para 278 casos confirmados de Covid-19, o que significa um aumento de 712,82% nos registros positivos da doença. Por outro lado, houve grande número de pessoas também curadas. O número de recuperados saltou de 28 pessoas em 25 de maio para 210 recuperados ontem (25), inclusive um paciente que estava no CTI, o que representa um aumento de 750%. Até o fechamento desta edição, eram 278 infectados, 210 recuperados e 68 em isolamento domiciliar na cidade.

O aumento de casos confirmados também está diretamente ligado ao aumento de testes. Foi justamente nesse período que a empresa Vale iniciou a testagem em todos os funcionários e também a Prefeitura começou a testar funcionários do setor de saúde e de outras áreas, conforme protocolo estabelecido pelas autoridades sanitárias.

Nesta semana, o governador de Minas, Romeu Zema (Novo), deu entrevista e não descartou o lockdown (fechamento) em diversas cidades mineiras, conforme o aumento de casos. Apesar da decisão de fechar ou não estabelecimentos comerciais depender exclusivamente dos prefeitos. Ainda assim, segundo o governador, o Estado tem feito a parte dele, disponibilizando leitos de UTI. João Monlevade, inclusive, vai receber mais um leito de UTI.

A notícia chega ao mesmo tempo em que o boletim semanal do Ministério da Saúde aponta que cidades do interior já respondem por quase 60% dos casos de Covid no país. Incialmente prevalecendo nas capitais, a pandemia avança para o interior do Brasil. No Médio Piracicaba, como exemplo, todas as 17 cidades têm registros da doença. Inclusive, as menores, como Sem Peixe e São José do Goiabal, que até a semana passada não contavam com casos positivos.

Duas mortes

No entanto, a região registrou, até o momento, duas mortes pela doença. Um rapaz de Itabira, que tinha comorbidades, faleceu em 6 de abril, mas a morte só foi confirmada no dia 11 daquele mês. São Gonçalo do Rio Abaixo também confirmou, no dia 15 de junho, a morte de um idoso de 70 anos pela doença. Várias mortes suspeitas foram descartadas, inclusive, em João Monlevade.

O Hospital Margarida, que montou 24 leitos para tratar casos de Covid-19 (10 de UTI e 14 de enfermaria e ambulatório específicos para esses casos), nunca teve mais do que cinco internados ao mesmo tempo. Até ontem (25), eram dois pacientes internados com suspeita da doença. A Prefeitura prepara um hospital de campanha, com 68 leitos, para abrigar pacientes de coronavírus que precisem de internação. A intenção é abrir mais vagas de atendimento, já que João Monlevade é referência na região para tratamento da doença.

Cuidados redobrados

A secretária adjunta de Saúde, Andrea Peixoto, reitera que o momento ainda é de cautela e que, apesar das poucas internações, a população precisa evitar se aglomerar e seguir protocolos de higiene, evitando um possível colapso do sistema de saúde em João Monlevade. O colapso seria lotar as unidades de saúde, sem condições de atender outros casos de Covid- 19 ou mesmo outras doenças.

Segundo a médica Maria Eugênia Tótola, que atua na linha de frente de combate ao coronavírus tanto no Hospital Margarida, quanto em Belo Horizonte, não é hora de relaxar nos cuidados básicos. “Pandemias costumam ser longas, deveria haver um trabalho contínuo do poder público e das representações médicas e sanitárias, a fim de preparar e acompanhar a população. As pessoas acharam que ia durar um, no máximo dois meses... Não sabiam que a gripe espanhola, por exemplo, durou quase dois anos! Justamente quando estamos vendo aumento alarmante do número de casos no estado e na região, as pessoas começaram a relaxar. Pior momento”, disse.

Segundo ela, apesar dos poucos casos graves na região, é preciso evitar aglomerações, sair de casa somente quando necessário e usar a máscara corretamente. Confira algumas dicas da médica:

1. Só saia de casa para trabalhar, ou para coisas muito importantes. Ao sair, use máscara sempre. Ela tem que tapar a boca e o nariz. Não funciona se usada de outra forma.

2. Evite tocar na máscara, a não ser pelos elásticos. Lembre-se que ela pode estar contaminada com coronavírus.

3. Muito importante: não converse com os outros de perto, mantenha mais de um metro de distância, mesmo que ambos estejam com máscara.

4. Evite tocar nas pessoas. Não é momento de aperto de mãos, abraços e três beijinhos para cumprimentar ninguém.

5. Ao voltar para casa, tire os sapatos para entrar, troque a roupa e tome um banho, se possível. Isole as roupas que usou na rua.

6. Continue lavando exaustivamente as mãos com água e sabão, ou use álcool em gel. Não esqueça de higienizar chaves, celular e outros pequenos objetos nos quais toca a toda hora.

7. Não é hora de festas e reuniões. O número de casos em Minas Gerais tem aumentado absurdamente nos últimos dias. CTIs em BH começam a ficar lotados e novos leitos estão sendo montados às pressas em vários hospitais. Isso é um forte sinal de alerta.

8. Sim, está difícil pra todo mundo. Está difícil pra mim também. Medo, angústia, saudades, incertezas... mas aprendi aqui em casa que o que não tem remédio, remediado está, portanto... é preciso ser forte e aguentar mais um pouco. Vai passar. E vamos nos abraçar muito!