Desde 1984
Brasil e o Mundo
07 de Abril de 2020
Coronavírus: casos suspeitos são quase 50 mil em Minas, e há 11 mortes no Estado
DO JORNAL O TEMPO

O número de óbitos em investigação diminuiu, indo a 100, ante 119 suspeitos nessa segunda. No domingo, havia 84 registros de mortes estudadas pela SES. Foram descartados 103 falecimentos suspeitos de relação com o coronavírus no Estado, segundo a pasta

Em Minas Gerais, há 559 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus, e outros 49.652 são investigados pelas entidades de saúde no Estado por suspeita de contamição pela Covid-19. Há 11 mortes por coronavírus confirmadas por complicações da Covid-19 em Minas, segundo a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES).

O número de óbitos em investigação diminuiu, indo a 100, ante 119 suspeitos nessa segunda. No domingo, havia 84 registros de mortes estudadas pela SES. Foram descartadas 103 falecimentos suspeitos de relação com o coronavírus no Estado, segundo a pasta.

<em>Resumo do informe da SES desta segunda-feira:</em>

559 casos confirmados de coronavírus em Minas

49.652 casos suspeitos no Estado

11 mortes causadas pela Covid-19

270 infecções confirmadas em Belo Horizonte

Com isso, o Estado tem 37 novos casos confirmados, duas mortes e 1.937 suspeitas de contaminação do vírus a mais do que tinha no último informe da pasta.

A maioria dos casos de coronavírus em Minas é em Belo Horizonte, onde há 270 pessoas com diagnóstico positivo para a doença, o que representa 48,3% das notificações.

Juiz de fora tem 42 confirmações e é a segunda cidade com mais infectados no Estado. Em seguida, há Nova Lima, com 37 pessoas com a doença, e Uberlândia, com 33.

Nas últimas 48 horas, foram confirmadas duas novas mortes na capital causadas pela Covid-19. Anunciada nessa segunda-feira, a primeira foi de um idoso de 82 anos, cuja identidade não foi confirmada pela SES.

Ele começou a apresentar sintomas no último dia 24 e possuía histórico de hipertensão e hipotireoidismo. A vítima foi internada no 30 de março e faleceu nesse domingo.

A outra, informada nesta terça pela SES, é de uma mulher, de 60 anos, que fazia tratamento de câncer, e morreu na manhã desta terça. Não há mais detalhes sobre a ocorrência.

Na capital, acumulam-se cinco óbitos causados pelo coronavírus oficialmente. Na segunda, havia 260 habitantes da capital com a doença, percentual que representava 52% das ocorrências no Estado. Entre segunda e terça, foram confirmadas dez novas pessoas com a doença na capital.

No boletim anterior, dessa segunda-feira, havia 525 casos confirmados de coronavírus em Minas, 47.715 suspeitas e seis mortes. Número de casos investigados pelos órgãos de saúde em Minas cresceu em 1.937 no período.

O informe de casos confirmados desta terça-feira representa aumento de aproximadamente 6,4% em relação ao divulgado no dia anterior. Entre domingo e segunda, o crescimento foi 5,4% ante o divulgado no dia anterior, que fora de 15,8%, entre sábado e domingo.

Percentuais estão abaixo da projeção de crescimento de até 33% por dia balizada pelo Ministério da Saúde.

Recorde de casos

O aumento absoluto no número de casos entre sábado e domingo foi o maior desde que a SES começou a divulgar os boletins epidemiológicos para coronavírus, com 68 confirmações. Antes, o recorde havia ocorrido entre quarta e quinta da semana passada, quando houve 56 novos diagnósticos positivos no Estado.

Avanço da doença no interior

Segundo fontes da SES, o número de confirmações de coronavírus no interior do Estado está crescendo, e cada dia mais exames registram diagnóstico positivo para pessoas em regiões distantes da capital.

Entre as cidades com casos confirmados nos últimos dois dias estão Botelhos, Machado, Jeceaba, Janaúba, Divinésia, Guaranésia e Ubá. A suspeita, segundo relatado à reportagem, é que novos casos podem ter relação com o Estado de São Paulo.

Mortes fora de Belo Horizonte

As cinco morte mais recentes confirmadas por coronavírus no Estado são em Montes Claros, no Norte de Minas, Ouro Fino e Pouso Alegre, ambas na região Sul.

Anunciada nessa segunda-feira pela Prefeitura de Pouso Alegre, a morte do paciente José Raimundo Tadini, de 78 anos, que tinha problemas pulmonares prévios e estava internado havia dez dias no hospital Samuel Libânio, só constou nesta terça no boletim epidemiológico da SES. A vítima morava no bairro Costa Rios, e corpo dele foi sepultado na manhã dessa segunda-feira (6), sem velório.

A vítima de Montes Claros é Cláudio Manoel Ricardo, de 69 anos, que estava internado em um pronto-atendimento da cidade. O óbito aconteceu na quinta-feira (2) à noite, segundo a secretária de Saúde do município, Dulce Pimenta.

O prefeito afirmou que ele havia vindo de São Paulo apresentando sintomas da doença e procurou um posto de saúde.

Em Ouro Fino, não foram divulgados detalhes sobre o óbito. A prefeitura do município apenas confirmou que as amostras de um paciente morto com sintomas semelhantes aos provocados pelo coronavírus tiveram teste positivo para a infecção na noite desse domingo (5).

A primeira pessoa a morrer no Estado em decorrência do coronavírus foi uma idosa de 82 anos, que morava em Belo Horizonte, mas estava internada em um hospital de Nova Lima, região metropolitana da capital. O segundo foi um homem de 66 anos, também belo-horizontino. Ambos tinham histórico de problemas cardíacos e diabetes mellitus.

Contudo, nem todos os casos registrados de morte por coronavírus estão dentro do grupo de risco. A terceira vítima da Covid-19 em Minas, um homem de 44 anos que morava em Mariana, região Central do Estado, não apresenta, até agora, sinais de que tinha comorbidades anteriores ao vírus.

Segundo a SES, dois óbitos estão fora da faixa considerada como grupo de risco (entre 20 e 59 anos), e dois estão acima dos 80 anos.

A pasta informa que as mortes no Estado são de pessoas que moravam em Belo Horizonte, Contagem, Juiz de Fora, Mariana e São Gonçalo do Rio Preto, sem mais detalhes divulgados.

Na última quinta-feira, a Prefeitura de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, também confirmou duas mortes na cidade. As vítimas são uma mulher de 61 anos e um idoso de 80, que morreu na segunda-feira (30).

A paciente de 61 anos, segundo esclareceu a Prefeitura de Uberlândia, permaneceu internada no Hospital Municipal da cidade até a morte.

A Fundação Ezequiel Dias (Funed) e um laboratório particular receberam as amostras da senhora, e tanto a prova quanto a contraprova testaram positivo para o coronavírus. O óbito do octogenário foi confirmado pelo mesmo laboratório particular.

Casos 'importados'

O município de Cambuí, na região Sul de Minas Gerais, confirmou nesse domingo (5) o aparecimento dos primeiros cinco casos confirmados de coronavírus na cidade.

Em comum, dois fatores: todos os cinco registros são de pessoas da mesma família, segundo a prefeitura, e todas elas viajaram recentemente para o Estado de São Paulo, região do Brasil onde há a maior concentração no número de casos e óbitos confirmados para a Covid-19.

O deslocamento de mineiros para São Paulo e o retorno acompanhado do surgimento dos primeiros sintomas podem se tornar um problema para o governo de Minas Gerais.

Aliás, a primeira morte registrada em Montes Claros, no Norte de Minas, também tem relação com o Estado vizinho, uma vez que se trata de um paciente de 69 anos com histórico de viagem a São Paulo. O único caso confirmado em Ubá, na Zona da Mata, também é “importado”.

Trata-se de uma mulher que, apesar de já ter recebido alta médica, percebeu o aparecimento dos primeiros sintomas da infecção após retornar de uma viagem para o Rio de Janeiro. Não se sabe quantos casos mais, dos 525 registrados no Estado, repetem esse quadro.

A reportagem de O TEMPO questionou o governo de Minas Gerais se alguma medida já está sendo adotada para evitar que os mineiros embarquem para essas regiões onde há elevado número de casos neste momento, considerado crítico da pandemia no Brasil.

Outra pergunta é se haverá fiscalização nas estradas e nos limites de municípios mineiros com os Estados do Rio de Janeiro e São Paulo, ou se carros e ônibus continuarão trafegando normalmente por essas regiões.

Por meio da Secretaria de Governo (Segov), o Estado declarou que as divisas municipais em Minas Gerais estão fechadas para a saída de ônibus de passageiros. Quanto às viagens interestaduais, o governo declarou que os ônibus com destino a outros Estados não saem das rodoviárias.

Contudo, as estradas permanecem abertas, como esclareceu a secretaria em nota: 'O Estado orientou a todos os municípios que não fechem as rodovias, elas são de fundamental importância para o escoamento da produção, especialmente de alimentos. O governo também recomenda que seja mantida aberta toda a estrutura para a circulação dos caminhoneiros nas estradas'.

Kalil endurece discurso e amplia restrições em BH

Em coletiva de imprensa nessa segunda-feira, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), endureceu ainda mais o discurso em relação ao combate ao coronavírus e chegou a dizer que a pandemia coloca a sociedade em situação análoga ao filme pós-apocalíptico “Mad Max”.

Em sua fala, ele<a href='https://www.otempo.com.br/cidades/coronavirus-kalil-decreta-controle-de-acesso-a-bancos-e-lotericas-em-bh-1.2321758' target='_blank' style='color: rgb(0, 84, 41);'> anunciou que restrições serão aplicadas</a> à movimentação na lagoa da Pampulha, onde muitas pessoas se aglomeraram nesse final de semana, e o fechamento da praça da Assembleia, na região Centro-Sul da capital. No cartão-postal símbolo do modernismo mineiro, só poderão circular carros, segundo o prefeito.

Além disso, Kalil assinou um decreto, publicado nesta terça no 'Diário Oficial do Município', que determina que agências bancárias e lotéricas precisam funcionar com medidas de restrição e controle de clientes.

E, também, estabelecimentos precisam adotar “medidas estabelecidas pelas autoridades de saúde de prevenção ao contágio e contenção da propagação de infecção viral relativa à Covid-19”, segundo o texto.

A PBH propõe que os responsáveis pelos empreendimentos passem a organizar as filas na área externa, para que respeitem a distância mínima de um metro entre cada cliente.

Sobre o funcionamento de lojas na capital, conforme adiantado pelo prefeito pelo Twitter nessa segunda-feira (6), <a href='https://www.otempo.com.br/coronavirus/decreto-de-kalil-veta-entrada-de-clientes-em-lojas-de-bh-so-da-porta-pra-fora-1.2321677' target='_blank' style='color: rgb(0, 84, 41);'>está proibida a entrada de clientes nesses tipos de estabelecimentos</a>.

O atendimento só poderá acontecer na calçada. Os proprietários e administradores também precisarão organizar as filas, observando distanciamento mínimo entre os clientes.

Aulas e grandes eventos em Minas só voltam em junho

O governador Romeu Zema (Novo) afirmou nesta segunda-feira (6) que <a href='https://www.otempo.com.br/coronavirus/aulas-e-atividades-com-aglomeracoes-so-devem-voltar-em-junho-diz-zema-1.2321842' target='_blank' style='color: rgb(0, 84, 41);'>atividades com grandes aglomerações como shows, jogos de futebol, cinema e até mesmo as aulas nas escolas só devem voltar a partir de junho</a>. A medida foi determinada na tentativa de conter a pandemia do novo coronavírus. A afirmação foi feita em entrevista à rádio Itatiaia.

'Lembrando que não vamos voltar a ter tão cedo esses locais que aglomeram muitas pessoas funcionando. Eu penso que antes de maio nenhuma escola funciona, nenhum cinema funciona, nenhuma casa de show ou jogos de futebol, que é onde temos centenas de milhares de pessoas. Esse isolamento que está em vigor precisa continuar. Aqueles que não dependem de sair de casa devem ficar ', afirmou o governador na entrevista.<h2></h2>