Desde 1984
Geral
28 de Março de 2020
Entidades sinalizam comércio fechado até dia 5
Will JonyAcomPMJM
Entidades se reuniram na Acimon ma sextafeira
'Não há a mínima segurança para a saúde coletiva ou individual que permita a reabertura regular do comércio na semana dos dias 30/03 a 05/04'. É o que afirmam entidades monlevadenses em comunicado divulgado neste sábado (28).

O texto é assinado por representantes da Associação Comercial, Industrial e Prestação de Serviços (Acimon); Associação Médica de João Monlevade e Hospital Margarida;

17ª Cia de Polícia Militar e da Prefeitura Municipal de João Monlevade. Eles se reuniram ontem (27) para debater a

calamidade de saúde provocada pelo COVID-19 e as implicações do isolamento social sobre o comércio e a sociedade monlevadense.

No encontro, ficou acordado que a relativização da reabertura do comércio somente poderá ter início depois que houver testes rápidos suficientes à disposição da população, o que ocorrerá a partir da segunda semana de abril. 'A indicação é que a abertura dar-se-á, quando possível, de forma controlada', diz o texto sem especificar uma data.

O grupo informa a aquisição de alguns testes rápidos de Covid 19 para o Hospital Margarida, sendo 3000 pela

ArcelorMittal e 500 pela Unimed João Monlevade. Porém, eles ainda não chegaram.

O Município também está se comprometeu a adquirir, o mais breve possível, outros testes rápidos para atender nesse momento de calamidade.

O grupo também reforça que o sistema hospitalar tem sido expandido para atender eventual necessidade de internação, mas, ressalta-se que jamais seriam suficientes, em caso de contaminação em ritmo acelerado da população. 'A situação é reavaliada diariamente pelas entidades competentes. Lembramos, ainda, que existem orientações da Organização Mundial de Saúde, do Ministério da Saúde e do Governo do Estado, além de um decreto municipal em vigor quanto à necessidade temporária do isolamento social', diz o comunicado.

As entidades ainda contam com o entendimento e colaboração de todos. 'Estamos vivenciando uma situação totalmente atípica e delicada para toda a sociedade. Uma atitude impensada pode trazer consequências ainda mais desastrosas para todos', afirmam.