Desde 1984
Geral
23 de Março de 2020
Hospital Santa Madalena Prefeitura prepara prédio da Secretaria de Saúde para receber leitos e camas hospitalares


A Prefeitura de João Monlevade pode, enfim, colocar em funcionamento o projeto do Hospital Santa Madalena, idealizado pelo ex-prefeito Carlos Moreira. Segundo a administração Simone Carvalho (PSDB), esposa de Moreira, a Prefeitura já começou os serviços de limpeza e adaptação das áreas internas do prédio da Secretaria Municipal de Saúde, no bairro Belmonte, para abrigar leitos e camas hospitalares.

O objetivo é disponibilizar um espaço para atendimentos de urgência na cidade e foi um pedido da classe médica, segundo a Prefeitura. “A medida visa, caso seja necessário, apoiar o Hospital Margarida, diante das demandas que possam surgir, face à pandemia do Coronavírus”, informa o assessor de Comunicação, Will Jony Gomes Nogueira.

Segundo ele, o primeiro andar (onde estavam funcionando os serviços administrativos e de marcações de consultas, entre outros), com entrada pela avenida Getúlio Vargas, está sendo transferido para o andar térreo, junto à Nova Policlínica (entrada pela avenida Wilson Alvarenga). O segundo andar também está passando por processo de limpeza, onde também deverão ser instalados apartamentos e leitos para os atendimentos. A Prefeitura está adquirindo camas hospitalares e outros equipamentos para o local. Segundo o governo, também algumas empresas já se manifestaram e irão doar ou emprestar algumas camas hospitalares.

A medida tem autorização da Vigilância em Saúde (Visa) e a previsão é de estar tudo pronto até o fim desta semana. De acordo com a Prefeitura, a estrutura é supervisionada por profissionais da Saúde, médicos e enfermeiros e atenderá ao que se propõe. A administração ainda não sabe mesurar os custos das adaptações, limpeza e processo para a implantação do novo espaço de saúde. “Haverá compras por parte da Prefeitura, bem como doações de empresas”, explica o assessor de Comunicação.

Memória

O prédio do Santa Madalena é fruto de uma adaptação da antiga rodoviária. As reformas foramconcluídas em 2008, último ano do governo do ex-prefeito Carlos Moreira, ao custo de R$22 milhões. O prédio nunca foi aproveitado em sua totalidade. A partir de 2010, o espaço recebeu o Pronto Atendimento (PA) que funcionou ali até 2015, quando foi transferido para o Hospital Margarida. Um dos motivos para a mudança é que o prédio não tinha condições sanitárias adequadas para abrigar internados. Desde então, o prédio permaneceu fechado, mas novembro do ano passado, o governo Simone levou a Policlínica Central para o prédio do Belmonte.

Na semana passada, profissionais da área de saúde que trabalham no local, também fizeram uma paralisação em protesto, alegando condições insalubres do espaço. A Prefeitura disse que a paralisação era em virtude de pressão do sindicato por reajuste de salário.