Geral
5 de novembro de 2018

Sem suplemento para filha, mãe dá apenas água para criança se alimentar

Arquivo JAN

Menina, de apenas dois anos, necessita da dieta para sobreviver

A moradora do bairro José de Alencar, Eloisa Rodrigues Santos, reclama da falta de fornecimento de suplementos alimentares por parte da Prefeitura de João Monlevade para sua filha, uma criança de apenas dois anos. Ela contou que, hoje (5), a menina se alimentou apenas com água e que ela não sabe mais o que fazer. O caso foi abordado no programa Espaço Livre, da Rádio Comunicativa FM, na manhã de segunda-feira (5), pelos apresentadores Marileia Miranda e Chico Franco.
De acordo com Eloisa, sua filha tem microcefalia, paralisia cerebral e epilepsia provocado pelo zika vírus e utiliza uma sonda nasoentérica para se alimentar. A criança possui o direito de receber a dieta enteral "Nutrem Júnior", fornecida pela Prefeitura, pois é a sua única alimentação. O problema, segundo a mãe, é que desde o mês passado o alimento não é fornecido adequadamente e o motivo, segundo ela, é que a prefeita Simone Carvalho (PSDB) não autorizou a compra do alimento. Sem a Prefeitura, ela disse que recebido doações, mas não é fácil conseguir, já que a menina consome dez latas por mês. "Fui buscar o leite e fui informada de que não tinha, pois a prefeita não autorizou a compra das dietas. Será que não dói na consciência da prefeita o fato das crianças especiais ficarem sem receber a dieta? Será como ela consegue colocar a cabeça no travesseiro e dormir mesmo sabendo que as mães dessas crianças não têm condições financeiras de comprar as dietas que custam R$80,00 a lata e só duram três dias? É revoltante esse descaso com as nossas crianças. É a saúde das crianças que está em jogo. Respeito pelas nossas crianças é o que exigimos. Eu quero uma explicação para esse total descaso com a minha filha e com as demais crianças que necessitam da dieta para se alimentar”, desabafou.
Ainda segundo Eloisa, a lata da dieta especial custa R$80,00 e dura apenas três dias. Ela também afirmou que uma nutricionista da Prefeitura a informou, na semana passada, que a licitação para a compra do alimento só ficaria pronta na próxima sexta-feira (9). "É revoltante o descaso com as nossas crianças. Eu gostaria muito de um posicionamento oficial da prefeita referente a essa situação lastimável", destaca a mãe, que não tem o que dar para a filha se alimentar. Ela pede doações do suplemento, que é vendido em farmácias. Interessados em doar podem obter mais informações pelos telefones: (9) 8613-2967 e (9)8849-3379.
Essa não é a primeira vez que usuários das dietas suplementares fornecidas pela Prefeitura reclamam da falta de distribuição dos itens ou de atrasos no fornecimento. Outros desabafos já foram feitos pelas redes sociais no mesmo sentido. Um grupo de mães em João Monlevade se mobiliza para fundar uma ONG, a fim de cobrar do governo a doação do suplemento e ajudar as famílias que precisam dos alimentos.

Prefeitura nega e diz que edital está aberto

Questionada sobre o caso, a Assessoria de Comunicação da Prefeitura disse que não procede a informação de que a prefeita Simone não autorizou a compra do alimento. O governo municipal reforça que abriu edital para a contratação de empresa para fornecer dietas enterais, fórmulas e suplementos alimentares. Inclusive, a chamada pública chegou a ser publicada no jornal Folha de S. Paulo, um dos maiores do país. O edital também está no site da Prefeitura (www.pmjm.mg.gov.br). O certame será na próxima sexta-feira (9). Também segundo a Assessoria de Comunicação, após a licitação, os alimentos devem chegar entre cinco e dez dias.