Esporte
14 de setembro de 2018

Goleiro Mão destaca a importância do esporte para os jovens

Gabriela Gomes
Goleiro pentacampeão esteve em Monlevade

Em entrevista ao Jornal A Notícia, o jogador da seleção brasileira de futebol de areia falou sobre sua história no esporte, educação e cidadania

O goleiro da Seleção Brasileira de futebol de areia, Jenilson Brito Rodrigues, 39, conhecido como Mão, esteve em João Monlevade na última terça-feira, onde participou de eventos esportivos e concedeu uma entrevista ao jornal A Notícia. Mão tem o recorde de participações em Copas do Mundo. Ele participou de oito copas, e venceu cinco. No Brasil, apenas o ex-treinador Zagalo possui esse mesmo recorde.
O apelido do jogador (Mão) não vem pelo seu desempenho como goleiro ou pelo tamanho das suas mãos, como ele conta. “Na infância eu tinha dificuldades em pronunciar a palavra irmão, e falava ‘Mão’, e foi assim que nasceu o meu apelido. Muito antes de eu me tornar jogador de futebol”, disse.
Natural de Vitória, no Espírito Santo, Mão contou sobre as grandes dificuldades que enfrentou, ainda menino. “Morávamos em uma região periférica, em palafitas, vivíamos na extrema pobreza. Moramos na rua por um tempo, e só quem passa por isso sabe como é. Eu fui salvo pelo esporte e pelos estudos, e é essa bandeira que eu levo por onde eu passo. A educação e o esporte salvam vidas, salvam o futuro, eu sou exemplo disso”, relatou.
Mão está na Seleção Brasileira desde 2000, e já defendeu o país em 311 jogos. Foi eleito melhor jogador e melhor goleiro, e relata emocionado suas conquistas. “Já representei o meu país em várias partes do mundo. Conheci outras culturas, muitas pessoas importantes, construí minha vida e minha carreira através do esporte. Inclusive, aqui em Monlevade, joguei contra o Real Clube, na época em que atuei no futebol society”, disse.
O jogador hoje também trabalha como professor . “Fiz faculdade de Educação Física, me especializei para dar aulas. Estar em contato com os futuros professores e alguns que querem se tornar atletas profissionais me mostra diariamente a importância do esporte na vida dos jovens. Através do esporte eles se tornam pessoas capazes, cidadãos de bem, e essa é a maior riqueza de um país, a sua população. Como atleta pretendo me aposentar em 2020, mas como professor eu ainda tenho longos anos pela frente, se Deus quiser”, disse o jogador.