O vereador Geraldo Antônio Marcelino, o Tonhão (PPS), abriu o verbo contra os colegas parlamentares durante a reunião da Câm...">
O vereador Geraldo Antônio Marcelino, o Tonhão (PPS), abriu o verbo contra os colegas parlamentares durante a reunião da Câm..." />
Geral
8 de junho de 2018

Para Tonhão, vereadores estão sob a sola do sapato da prefeita

Erivelton Braz
Tonhão critica vereadores e é observado por Vanderlei Miranda

"Há um esquema para proteger o governo em troca de tapar buracos"

O vereador Geraldo Antônio Marcelino, o Tonhão (PPS), abriu o verbo contra os colegas parlamentares durante a reunião da Câmara desta semana. Segundo ele, os demais vereadores estão contra o povo em um esquema de proteger o governo Simone Carvalho (PSDB) de investigações. Isso, porque ele não consegue a aprovação de um requerimento que solicita documentos e informações sobre os repasses realizados à Associação São Vicente de Paulo (ASVP), mantenedora do Hospital Margarida, pela Prefeitura, entre os anos de 2013 e 2017.
Na reunião da última quarta-feira (6), ele teve o pedido adiado pela terceira vez, após mais um pedido de vistas do vereador Sinval Jacinto Dias (PSDB), que o fez, mesmo impedido pelo Regimento Interno da casa, porque já tinha pedido na semana anterior. Ao ser informado de que não poderia pedir novamente, coube ao vereador Antônio Carvalho Fraga, o Lelê do Fraga (PTB), adiar novamente a votação.
Foi o suficiente para Tonhão usar a tribuna e disparar contra os colegas. “Essa casa não quer apurar a verdade. Estou pedindo informações. Não é nada demais. Por que tantos vereadores pedem vistas? Os senhores estão contra o cidadão? Estão com medo de quê?”, questionou.
A fala de Tonhão serviu como motivo para o vereador Belmar Diniz (PT) questionar as vistas concedidas pelo presidente Djalma Bastos (PSD). “Com todo o respeito, o senhor não está sendo coerente. Quando é projeto do governo, o senhor concede vistas de 5, 3 e até 2 minutos. Quando é contra a administração, as vistas são de uma semana. Porque não dá o mesmo tempo de vistas para todos?”, perguntou o petista.
O vereador pastor Carlinhos (MDB) foi outro que endossou a fala de Tonhão e sugeriu a ele que acione o Ministério Público, para que o órgão questione o Executivo. “Nesta casa, você não vai conseguir nada. O direito a vistas é uma coisa, mas ele está sendo usado como fuga”, afirmou. Novamente usando a tribuna, Tonhão voltou a criticar os colegas. “Dá vontade de rir. Alguns pares, em vez de defender o povo, estão defendendo o governo. Queremos a verdade. Não estamos aqui para investigar? Temos que dar o exemplo. Os senhores precisam honrar os seus votos (que receberam). Muitos vereadores estão debaixo do sapato da prefeita e só fazem o que ela quer. Os senhores não querem investigar o governo com medo de não terem pedidos atendidos? Com medo de não terem buraquinhos de ruas tampados?”, questionou, denunciado esquema de proteger o governo de investigações. Após as declarações, Claúdio Cebolinha (PTB) lembrou que já teve ofício negado sobre uso do anfiteatro do Centro Educacional.
O presidente da Casa, Djalma Bastos, afirmou que o pedido de vistas é uma prerrogativa do vereador e que cada um está no seu direito de pedi-la. Ele não comentou os questionamentos de Belmar Diniz.