Geral
9 de março de 2018

Prefeita de cidade mineira é cassada por deixar o marido governar

Reprodução

A prefeita da cidade de São Lourenço, no sul de Minas Gerais, Célia Cavalcanti (PR), perdeu o mandato e o município passou a ser governado na última quarta-feira (7) pelo seu vice, Leonardo Sanches (PTdoB). Por 10 votos a 3, os vereadores da Câmara Municipal aprovaram na noite da última terça-feira (6) a cassação da prefeita, sob a alegação de que ela teria deixado seu marido, o ex-prefeito da cidade, Natalício Tenório Cavalcanti (PR), tomar as decisões no governo em seu lugar. A informação foi publicada na quarta-feira pelo site do jornal Estado de Minas.
De acordo com a Câmara de São Lourenço, investigações mostraram que o marido da prefeita foi responsável por nomeações na diretoria do SAAE e realizou reuniões do Executivo sem a presença da esposa. Sendo assim, o Legislativo entendeu que a ex-prefeita foi omissa ao deixar o marido e ex-prefeito tomar decisões em relação à gestão do município, o que é uma infração política-administrativa prevista no Decreto de Lei 201/67.
Segundo informações, o ex-prefeito e marido da prefeita está com seus direitos políticos cassados, condenado em primeira instância e, segundo foi apurado, entrava nas repartições e dava ordens a funcionários públicos, tomando várias decisões no lugar da prefeita.
O advogado da ex-prefeita negou todas as acusações e disse que vai ingressar com um mandado de segurança no Tribunal de Justiça de Minas Gerais para devolver o cargo à Célia Cavalcanti.
Durante uma de suas falas na tribuna da Câmara Municipal de João Monlevade, o vereador Gentil Bicalho (PT) tocou no assunto da cassação da prefeita de São Lourenço e fez um paralelo com a situação de João Monlevade, lamentando a questão. "Espero que o mesmo não aconteça em nossa cidade. Porque, pelo que vemos, acontece o mesmo problema por aqui", disse o parlamentar.