Policia
9 de março de 2018

Morte de cadela queimada no Boa Vista vira caso de polícia

Equipe especializada de Juiz de Fora investigará se ato foi criminoso

A Polícia Civil irá investigar as causas de um incêndio que culminou com a morte de uma cadela na noite do último sábado (3), no bairro Boa Vista, em João Monlevade. A cadela Gabi, que foi retirada das ruas e ficou alguns anos no Canil Municipal, recentemente havia sido adotada e levada para um sítio no local.
De acordo com informações do Boletim de Ocorrências da Polícia Militar, por volta das 23h do último sábado, militares foram até o sítio para averiguar informações sobre um incêndio. Ao chegar ao local, os policiais encontraram os proprietários do sítio, que relataram que haviam conseguido controlar as chamas com a ajuda de vizinhos. Segundo os relatos, o fogo começou na sala do imóvel e atingiu também a dispensa, onde destruiu materiais e queimou a cadela Gabi. Ainda de acordo com a polícia, não havia sinais de arrombamento na residência e não foram detectados sinais de incêndio criminoso.
De acordo com a presidente da Associação Cãopanhia do Bem, que recolhe e cuida de animais abandonados, Karen Sartori Lemos, a morte de Gabi foi recebida com profunda tristeza por todos da Associação e o acontecido precisa ser devidamente investigado.. “Gabi era uma das moradoras mais antigas do Canil Municipal. Era amada e querida por todos. Eu a abracei e jurei lutar por ela, e lutei. Depois surgiu o lar dos sonhos, uma chácara no Boa Vista, muito acolhedora e com muito espaço. Lá ela viveu feliz por dois anos, nunca deixamos de receber e pedir notícias. Na noite de sábado nos despedimos dela, com uma dor imensurável. Ela foi incendiada. Sim, queimada. Acredito que invadiram o local onde ela vivia e praticaram o crime. Vamos atrás de justiça", desabafou Karen.
A presidente da Cãopanhia do Bem também informou que o Grucam (Grupo de Repressão Unificado de Combate ao Abuso e Maus-tratos aos Animais), de Juiz de Fora, viria a João Monlevade para auxiliar nas investigações. Além do registro de um BO, perícias foram realizadas no local.