Você está em Notícia / GERAL /
Geral
13 de outubro de 2017
NO OLHO DO FURACÃO
Luiz Ernesto
Unidade Básica de Saúde do Novo Cruzeiro foi inaugurada em 1991
Raio -X nos Postos Médicos
O jornal A Notícia continua a série de reportagens sobre as unidades de saúde de João Monlevade. O objetivo é traçar um raio-x das unidades, contando um pouco de suas histórias, estruturas, volumes de atendimentos, serviços prestados, profissionais disponíveis, atual situação e a importância dos postos para a região onde estão instaladas e para o município. Nesta semana, a reportagem visitou a Unidade Básica de Saúde do Novo Cruzeiro, situada na avenida Nova York.

Localizada no coração da região mais populosa de João Monlevade, a Unidade Básica de Saúde do Novo Cruzeiro também é um dos postos de maior demanda de atendimentos no município. Com a implantação do Residencial Planalto, há cerca de dois anos, em área vizinha ao local, a demanda e, com ela, os problemas, aumentaram ainda mais.
Inaugurada em setembro de 1991, durante o governo do ex-prefeito Leonardo Diniz, o posto de saúde do Novo Cruzeiro, como é mais conhecido, é situado na avenida Nova York e tem sido pauta de reuniões da comunidade, do conselho local de Saúde, do Conselho Municipal de Saúde e da Comissão de Saúde da Câmara, que têm debatido com a Secretaria Municipal de Saúde e com a gerência do posto melhorias, principalmente, a ida de mais médicos para o local.
Em reunião recente, a comunidade solicitou mais médicos e também reclamou da sobrecarga de atendimentos pediátricos, da precariedade das equipes de Saúde da Família (ESF) e pediu melhorias estruturais na unidade básica de saúde.
Segundo informações, equipes do PSF estão sem médicos desde o ano passado. Também no local, faltam especialistas, como fisioterapeutas e consultas na unidade estão sendo marcadas só para o ano que vem, devido ao sistema de agenda aberta, adotado pelo município.
A escassez de materiais também é sempre comentada no local. Membros do Conselho Municipal de Saúde ainda alertaram as autoridades, várias vezes, sobre a possibilidade de haver uma manifestação na comunidade, fechando o trânsito na avenida Nova York. A Prefeitura já informou, em outra ocasião, que as questões burocráticas e o trâmite para contração de médicos é demorado. Cada profissional tem até 30 dias para aceitar ou não o cargo, o que atrasa a efetivação de concursados nos processos seletivos.

OPINIÕES

Para a estudante Jeane Freitas, 30 anos, moradora do bairro, os profissionais do posto são bons, o problema é a demanda, que é muita. “Os profissionais e atendentes fazem o papel deles. Atendem bem e fazem o que podem. O problema é a demanda alta em alguns dias e a falta de médicos”, afirmou.
Já a dona de casa Jandira Bueno, de 70 anos, que estava de saída, ao acabar de ser atendida, elogiou o local, fazendo algumas observações. “A estrutura é boa. As ‘meninas’ (atendentes e enfermeiras) também. Só essa escada que dificulta um pouco, principalmente para os mais idosos, como eu, que possui dificuldades de locomoção. Às vezes aperta e fica mais cheio, mas ainda acho um dos melhores”, disse.
O agricultor Altair Fonseca, de 57 anos, salientou que há dias em que o posto está cheio e a demora é maior para o atendimento. “Há dias que demora mais. Está muito cheio. Vejo muitas pessoas reclamando que faltam médicos. Na verdade, pobre tem que pegar com Deus, pois sofre muito com a saúde no Brasil. Todo lugar é assim. Tenho filha que mora em São Paulo e reclama a mesma coisa”, diz.

Alerta

A ex-vereadora e líder comunitária Filinha Fernandes chamou a atenção para o aumento da demanda do posto depois da criação do bairro Residencial Planalto, que possui 832 residências e mais de dois mil habitantes. De acordo com Filinha, após a implantação do Residencial, a demanda aumentou, porém, a estrutura do posto é a mesma. “Aconteceu o que nós prevíamos e falamos na tribuna da Câmara, alertando que o bairro Planalto só deveria ter início após aumentar o número de equipes do PSF. Aumentou a população local e, claro, os usuários do posto, que logicamente precisam de atendimento e de acesso à saúde”, destacou.

Estrutura

Atualmente, a Unidade Básica de Saúde do Novo Cruzeiro é o único posto do município que ainda conta com farmácia e, juntamente com a Policlínica Central, são os únicos que realizam eletrocardiograma.
A equipe atual da unidade conta com seis dentistas, um técnico em saúde bucal, cinco auxiliares em saúde bucal, um auxiliar de farmácia, uma farmacêutica, sete técnicos em Enfermagem, uma enfermeira responsável técnica, uma enfermeira de referência do Planalto, quatro médicos planto-nistas, dois ginecologistas, dois cardiologistas, dois pediatras, dois médicos de saúde da família, quatro enfermeiros de saúde da família, quatro técnicos em Enfermagem de saúde da família, 16 agentes comunitárias de saúde, duas auxiliares de serviços gerais, seis auxiliares administrativos e um gerente.
Assim como aconteceu na edição anterior, na reportagem que tratava da Policlínica Central, a Prefeitura, através de sua Assessoria de Comunicação, foi acionada pela reportagem para fornecer mais informações sobre o posto. Porém, até o fechamento desta edição, as respostas não foram enviadas.
LEIA TAMBÉM
 
Publicidade
Publicidade
31 3851-1791
Av. Rodrigues Alves, nº 78, República
João Monlevade/MG
NOTÍCIAS
OPINIÃO
OPINIÃO
SOCIAIS