Você está em Notícia / VARIEDADES /
Variedades
9 de dezembro de 2016
Juiz cassa registro de candidatura e pede que Simone não seja diplomada
O juiz Eleitoral Rodrigo Barros Braga cassou o registro de candidatura da chapa Simone Moreira (PSDB) e Fabrício Lopes (PMDB), vencedora nas eleições em João Monlevade. O magistrado acatou denuncia do Ministério Público e expediu liminar cassando os registros de candidaturas de Simone e Fabrício.
A medida impede a diplomação dos dois, em solenidade marcada na próxima segunda-feira (12). A defesa dos eleitos vai entrar com mandado de segurança no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para que a diplomação ocorra. A expectativa é que a resposta seja divulgada até o próximo domingo (11).
A ação é de Investigação Judicial Eleitoral proposta pelo Ministério Público Eleitoral a partir de representação especial contra a candidata eleita ao cargo de prefeito pela Coligação A Força do Povo, Simone Carvalho, do candidato ao cargo de vice-prefeito, Fabrício Lopes e do proprietário e editor do jornal o celeste, Gilson Sérgio Elói.
Segundo o despacho judicial, o Ministério Público percebeu indícios do uso indevido do jornal, em matérias que teriam favorecido a eleição dos referidos candidatos. “O jornal veiculou matérias favoráveis aos candidatos e, em contrapartida, insistiu na publicação, em sucessivas edições, de matérias com críticas direcionadas ao candidato Railton Franklin Silva (PDT) e seus apoiadores”, diz o documento.
O jornal fez pelo menos quatro matérias criticando duramente Railton e sua esposa, a advogada Valéria Maciel. O MP embasou o pedido ao argumento de que, “diante da diferença de votos entre a candidata eleita, Simone Carvalho e o segundo colocado Railton Franklin, (de 126 votos), somado ao fato do jornal em questão ser de distribuição gratuita e com tiragem média de 1.500 exemplares, as matérias na forma em que foram veiculadas, proporcionaram desequilíbrio do pleito, com potencialidade para macular o resultado das eleições”, diz o texto.
A representante da coligação A Força do Povo, a advogada Érica Verli, informou ao A Notícia que acredita na queda da liminar, e afirma que a diplomação deve ocorrer como previsto.
LEIA TAMBÉM
 
Publicidade
31 3851-1791
Av. Rodrigues Alves, nº 78, República
João Monlevade/MG
NOTÍCIAS
OPINIÃO
OPINIÃO
SOCIAIS