Desde 1984
Geral
8 de novembro de 2019
Articulação para CPI - Vereadores defedem apuração de possíveis irregularidades
Os vereadores e ex-presidentes da Câmara de Monlevade, Djalma Bastos (PSD) e Guilherme Nasser (PSDB), uniram seus discursos e afirmaram ao atual presidente da Casa, Leles Pontes (Republicanos), que se há denúncias contra o mandato deles, essas devem ser apuradas. Djalma ainda pediu que o presidente suspenda os gastos com publicidade, até que sejam esclarecidas as denúncias de suposto desperdício de dinheiro público pela Assessoria de Comunicação da Câmara, no período em que foi presidente.
O que justifica a afirmação de Djalma é uma articulação interna para abertura de uma CPI, sobre supostos desperdícios de dinheiro, gasto com publicidade, no período em que ele e Guilherme Nasser foram presidentes, entre os anos de 2013 a 2018.
A polêmica veio à tona depois que fotos de sobras de cartilhas produzidas pela Câmara foram divulgadas pelo Jornal O Celeste, como se fossem desperdício de dinheiro público. Djalma também afirmou que, se as denúncias tiverem fundamento, ele mesmo vai se empenhar no esclarecimento de irregularidades que possam ter ocorrido em seu mandato. Porém, alertou que se as denúncias forem falsas, o atual presidente da Câmara está sendo mal aconselhado “Vossa excelência pode estar dormindo com um inimigo, achando que ele é amigo. Cabe à mesa diretora fazer uma avaliação profunda sobre o ocorrido”, afirmou, sem especificar se os inimigos são assessores, servidores ou outros parlamentares.
Por sua vez, Guilherme Nasser iniciou a sua fala na reunião reconhecendo o trabalho da imprensa. “Tem papel importantíssimo de noticiar e informar o cidadão. Mas falando em CPI sou a favor de qualquer uma. Acho que o homem público não pode correr do pau. Inclusive, defendo que passe a Câmara a limpo. Façamos CPI da imprensa, do uso dos carros oficiais, do posto de identificação. Defendo CPI do Hospital Margarida também”, justificou.