Desde 1984
Policia
5 de novembro de 2019
Posto de identificação da Câmara será investigado pela Polícia Civil
Erivelton Braz
A Polícia Civil de João Monlevade vai abrir inquérito para apurar supostas irregularidades que estariam ocorrendo no setor de identificação da Câmara de João Monlevade. A informação é do delegado regional Paulo Tavares.
Segundo ele, que não deu detalhes sobre o assunto, foram feitas denúncias de que o Posto, que é de responsabilidade da Polícia Civil, estaria sendo usado para favorecimento político.
O delegado não negou a possibilidade do Posto ser instalado em alguma sala da delegacia. Assim, segundo Tavares, a Câmara manteria o serviço, mas fora do Legislativo, evitando qualquer problema. “Já estamos em ano eleitoral. Acredito que o posto na delegacia possa dar inclusive mais tranquilidade aos parlamentares, de uma disputa limpa e sem qualquer influência de um vereador ou outro no serviço de emissão de identidades”, destacou o delegado regional. Ele completou ainda que, “para a Polícia, já estamos em ano eleitoral e é preciso evitar beneficiamentos políticos a quem quer que seja”, disse o delegado.
Vereadores fizeram uma reunião fechada recentemente, em busca de esclarecimentos sobre o funcionamento do posto. Nenhum assessor participou e ficou combinado que a imprensa também não receberia as informações do encontro. O delegado Paulo Tavares também reuniu-se com a chefe do posto, Tarsila de Figueiredo Diniz Bitencourt para tratar sobre o funcionamento do setor. Segundo a servidora, apenas a Polícia Civil pode autorizar a confecção de identidades diferentemente dos procedimentos já estabelecidos, como casos excepcionais ou de urgência. Desde o dia 1º de novembro, um cartaz também foi afixado proibindo a entrada de pessoas no Posto de Identificação que não sejam os servidores e estagiários que ali trabalham. A Notícia entrou em contrato com o presidente Leles Pontes (Republicanos). Ele disse que não vai ao Posto de Identificação há meses e preferiu não comentar o assunto.

Mudança

Outra mudança estabelecida é que o agendamento via telefone para a confecção de identidade que hoje é diário (marca-se de um dia para outro), deverá ser mudado para semanal. Segundo o delegado Paulo Tavares, a ideia é escolher um dia para fazer todos os agendamentos da semana, evitando o congestionamento da linha telefônica e tentando melhorar o atendimento.