Desde 1984
Geral
12 de julho de 2019
Dengue ultrapassa 2.000 casos prováveis em João Monlevade
Reprodução
João Monlevade possui 2.253 casos prováveis de dengue (que englobam os suspeitos e os confirmados), conforme dados do boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG), divulgado na segunda-feira (8). Também no estado, a epidemia de dengue segue avassaladora. Em 2019, até o momento, Minas Gerais registrou 438.666 casos prováveis da doença.
Segundo o Boletim, cerca de 700 casos foram registrados em junho em Monlevade. Já na primeira semana de julho, foram mais 23. A incidência da dengue na cidade é considerada muito alta se comparada ao número de habitantes, que é de 79,5 mil pessoas.
Diante do quadro, segundo a Secretaria de Saúde, o município usa fumacê durante as madrugadas nos bairros com maior incidência da doença, sendo eles: Loanda (156 casos), José Eloi (89 casos) e Cruzeiro Celeste (87). João Monlevade também conta com nove casos prováveis de chikungunya e quatro de zika vírus, ainda não confirmados.
Na região, Barão de Cocais e Bom Jesus do Amparo têm números também expressivos, com 521, 265 e 237 casos prováveis de dengue, respectivamente. Bela Vista de Minas tem 74 ocorrências e São Gonçalo do Rio Abaixo tem 82. Para confirmar se o número de casos é alto, o Estado considera a quantidade de registros de dengue em relação ao número de habitantes.

Guillain-Barré

Outros casos de doenças que chamam a atenção na cidade são os quatro registros da Síndrome de Guillain-Barré. A doença é um distúrbio autoimune, ou seja, o sistema imunológico do próprio corpo ataca parte do sistema nervoso, que são os nervos que conectam o cérebro com outras partes do corpo. Ela geralmente é provocada por um processo infeccioso e manifesta fraqueza muscular, com redução ou ausência de reflexos.
Várias infecções têm sido associadas à Síndrome de Guillain Barré, sendo a infecção por Campylobacter, que causa diarréia, a mais comum. A incidência anual é de 1-4 casos por 100.000 habitantes. Um dos casos da doença acometeu o vereador Revetrie Teixeira (MDB), que segue afastado de suas funções na Câmara Municipal, desde Janeiro deste ano. Ele ainda não possui previsão de retornar aos trabalhos.