Desde 1984
Policia
12 de julho de 2019
Polícia prende mais dois colombianos e diz que ainda há muitos agindo na cidade
Arquivo JAN
Delegado regional Paulo Tavares é responsável pela região.
A Polícia Civil de João Monlevade prendeu, no último dia 3, mais dois colombianos que praticam crime de agiotagem em João Monlevade. Eles são suspeitos de integrarem uma quadrilha que empresta dinheiro a juros altos (cerca de 20% ao mês), além de extoquirem, agredirem e ameaçarem as vítimas. Com a prisão, chega a cinco o número de presos na cidade, mas a Polícia suspeita que muitos outros continuam agindo na cidade e na região.

No mês passado, uma operação da Polícia prendeu três colombianos, entre esses, um dos chefes da quadrilha, além de um integrante e um motorista. Com eles, foi apreendido dinheiro que seria usado nos empréstimos. Segundo a a Polícia Civil, as investigações continuam e, na semana passada, foi cumprido um Mandado de Busca e Apreensão em um dos imóveis utilizados pelo bando. No local, foram encontrados e apreendidos diversos cartões e cadernos com anotações com valores e dados de vítimas, o que, segundo a polícia, comprovam o crime de agiotagem. Foram apreendidos ainda R$1.863,76 e uma motocicleta, que era utilizada pelos criminosos.

Os suspeitos foram presos com cerca de R$574,00 e cartões que continham o controle financeiro dos empréstimos, quando retornavam da cidade de São Domingos do Prata, logo após efetuarem cobranças a clientes em cidades da região. A moto que eles estavam também foi apreendida. Parte dos valores espécie estavam separados com os nomes dos respectivos clientes.

As investigações da Polícia apontam que os clientes da organização criminosa são, em sua maioria, micro e pequenos empresários, que por dificuldade financeira, aceitam propostas de empréstimos sob juros cobrados diariamente, sob pena de ameaças e até agressões. Segundo a Polícia Civil, os colombianos têm boa aparência e divulgam os empréstimos através de cartões e folders. No entanto, já no dia seguinte após repassarem o dinheiro, eles iniciam uma cobrança diária dos valores. Até o momento, pelo menos 10 comerciantes foram vítimas do crime em João Monlevade. A Polícia Civil orienta que os comerciantes vítimas do esquema procurem a delegacia e registrem queixa. Os dois detidos foram levados para o Presídio de João Monlevade onde permanecem à disposição da Justiça.