Desde 1984
Brasil e Mundo
13 de maio de 2019
Mortes por crimes violentos caem cerca de 16% no 1º trimestre em Minas Gerais
G1 Minas
Estado teve 758 registros desse tipo em janeiro, fevereiro e março. No mesmo período de 2018, foram 903.

Por G1 Minas — Belo Horizonte

As mortes por crimes violentos tiveram redução de cerca de 16% no primeiro trimestre deste ano em Minas Gerais. Nestes óbitos, são considerados homicídios dolosos, latrocínios – roubo seguido de morte – e lesões corporais seguidas de morte.

Os dados fazem parte do Monitor da Violência. O levantamento é feito pelo G1 com base em dados oficiais da Secretaria de Estado de Segurança Pública e por meio da Lei de Acesso à Informação.

Entre janeiro e março deste ano, foram 758 registros. Já no mesmo período de 2018, foram 903. Considerando somente os homicídios, os casos caíram de 860 no primeiro trimestre do ano passado para 758 neste período deste ano, o que representa queda de aproximadamente 16,2%.

Os casos de latrocínio tiveram redução de cerca de 14,8%, passando de 27 para 23. Já as lesões corporais seguidas de morte reduziram de 16 para 14, queda de 12,5%.

Levantamento nacional

O Brasil registra uma queda de 24% nas mortes violentas no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. É o que mostra o índice nacional de homicídios criado pelo G1, com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal

Isso quer dizer que o país teve 3,2 mil mortes violentas a menos em janeiro, fevereiro e março deste ano em relação a 2018. O número de assassinatos, porém, continua alto.

De acordo com o levantamento feito pelos repórteres do G1, houve 10.324 mortes violentas no primeiro trimestre deste ano. Apenas o Paraná não informa os dados deste intervalo de tempo. Já no mesmo período de 2018, houve 13.552 assassinatos — também desconsiderando o Paraná, para que seja feita a comparação.

Como o levantamento é feito

A ferramenta criada pelo G1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Em março, o governo federal anunciou a criação de um sistema similar. Os dados, no entanto, não estão atualizados como os da ferramenta do G1. O último mês disponível é dezembro de 2018.

Os dados coletados mês a mês pelo G1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais. O balanço de 2018 foi publicado pelo Monitor da Violência separadamente, em abril.