Policia
10 de maio de 2019

"Nosso objetivo é recuperar a credibilidade da Polícia Civil", afirma delegado regional

Recuperar a credibilidade e a imagem de respeito que a Polícia Civil sempre teve em João Monlevade e região. Esses são os grandes objetivos do delegado Paulo Tavares, 50 anos, que assumiu novamente a Delegacia Regional de Polícia Civil de João Monlevade dias atrás.
Atuando nos últimos anos na Delegacia Regional de Itabira, o delegado Paulo Tavares volta a Monlevade após oito anos, já que assumiu o posto em 2011. Ele chega em um momento conturbado, já que, recentemente, integrantes da Polícia Civil de João Monlevade e região, além de um advogado, foram presos em uma ação do Ministério Público que investigava supostas facilitações na obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e possíveis envolvimentos com traficantes da região. Os suspeitos seguem detidos.
Em entrevista exclusiva ao jornal A Notícia, Paulo Tavares se mostrou motivado e feliz por estar de volta a João Monlevade e destacou os objetivos iniciais de sua volta. "Volto com a obrigação moral com a comunidade de João Monlevade e região de reestabelecer a credibilidade e o respeito que a Polícia Civil sempre teve aqui, a exemplo de todo o estado. Num futuro próximo, vamos reafirmar nosso trabalho de excelência, que sempre foi feito", afirmou.
Sobre os fatos ocorridos recentemente, o delegado informou que todos os procedimentos estão sendo tomados para que haja uma reestruturação na Polícia Civil, com o objetivo de que o trabalho continue sendo realizado com eficácia. "Haverá, sem dúvida, uma resposta aos acontecimentos e o devido esclarecimento à sociedade. Haverá uma reestruturação completa, remanejamentos e reposições, tudo para priorizar o bom andamento dos trabalhos da Polícia Civil", disse.
Ainda segundo Paulo, continuam as investigações, diligências e desdobramentos da operação que desencadeou na apreensão de policiais civis e que o Ministério Público e a Corregedoria da Polícia Civil estão atuando em conjunto para solucionar o caso.