Geral
12 de abril de 2019

A Notícia não saiu de mim

Acabo de ser surpreendido pelo convite para escrever sobre os 35 anos do A Notícia. Que honra Mas confesso que me senti desafiado: o que dizer do A Notícia? São tantas coisas... Resolvi me atentar às lembranças de minha história pessoal com esse periódico que vai muito além do dia 2 de março de 2000, quando pisei pela primeira vez na redação. O ano era o de 1993. Lembro-me até do aroma da tarde quente quando saí da escola e fui para a casa dos meus avós. Era sexta-feira, dia de A Notícia. E o jornal estava lá me esperando. Deliciei-me lendo as notícias como se eu fosse um apresentador de jornal.
Também me lembro bem de quando eu subia o morro “impiedoso” do bairro Satélite (nem sempre tinha dinheiro para o ônibus) quando vi numa vendinha o jornal colorido. Deu-me um orgulho... Era o A Notícia evoluindo. Pouco tempo depois, quem diria, aos 18 anos, eu estaria ali trabalhando no jornal, matando um leão por dia no peito e na raça, porque a faculdade de Jornalismo só viria aos 20.
A Notícia completa 35 anos nesse 2019. Eu acabei de completar 37. Em 1982, eu vim ao mundo e em 1984 lá estava o lendário Márcio Magno Passos fazendo história na vida dele, na do jornal e na de todo mundo que acompanhava as polêmicas, as fortes opiniões, a coragem e a sapiência de um autodidata que não frequentou faculdade, mas que reúne conhecimentos dignos de mestres e doutores. Impossível falar de 35 anos de A Notícia sem citar Márcio Passos. Ele é, de longe, muito mais do que um jornalista... É sociólogo, por entender a sociedade local e regional como ninguém; é filósofo por refletir sobre a vida de maneira singular; é cientista político por saber a arte da estratégia eleitoral reunindo mais vitórias que derrotas em sua carreira de consultor e campanhas marcantes. É poeta pela sensibilidade das palavras e cronista dos bons. Textos de Márcio Passos são paradas obrigatórias para leitura.
Saiba, Márcio, que nunca tive oportunidade de te agradecer, e o faço publicamente agora. Sem você, eu não teria chegado aonde cheguei; não teria visto além do horizonte; talvez não teria amado Monlevade como amei e amo. E aqueles R$100 que faltavam para eu pagar a faculdade em 2002? Hoje não parecem muito, mas naquela época ou era você me emprestar ou eu trancar a tão sonhada faculdade de Comunicação. Você não me emprestou, você me deu. Pagou minhas sessões de psicoterapia quando a depressão me corroeu. Teceu elogios impecáveis sobre mim com pessoas que estenderam e me estendem os braços até hoje. Abriu espaço na sua rigidez com horário de trabalho para que eu pudesse fazer estágios, dar aulas em cursinhos, fazer outros jornais e revistas para complementar minha renda. Emociono-me só de lembrar e me pesa a consciência de só reconhecer isso agora. Já são quase cinco anos fora do A Notícia, de onde saí “cego” pelo cansaço da dupla jornada de comunicador e professor universitário. Essa “cegueira”, agravada pelo descontrole emocional, não permitiu durante algum tempo voltar a ver esse lado lindo de nossa história e nos distanciamos. Hoje, nossas conversas limitam-se a um comentário ou outro nas redes sociais, a encontros casuais. Reconheço: sinto saudades.
Saudades da tensão do fechamento da edição, da aprovação dos textos, da notícia sobre um assunto guardado a sete chaves. Saudades das reuniões de pauta, das festas dos 100 Melhores, das confraternizações de fim de ano e até mesmo dos processos judiciais que enfrentávamos. Como você me ensinou a ter coragem A enxergar as pessoas além das aparências para traduzir a notícia de forma clara, da maneira como nossos leitores merecem. Foram muitas quedas, perseguições, lágrimas, mas também foram muitos recomeços, vitórias e superações. Hoje quando alguém me pergunta se ainda estou no jornal é inevitável responder que “saí do A Notícia”. Mas saiba Márcio, Maria Cecília, e todos os bons amigos que fiz nessa longa caminhada, que A Notícia não saiu de mim. Jamais sairá.

() Breno Eustáquio da Silva foi repórter e editor do A Notícia entre os anos de 2000 e 2014 e é professor universitário