Geral
8 de março de 2019

Mesmo recebendo auxílio-moradia, Tito Torres diz que corte foi positivo

Arquivo JAN
Deputado Tito Torres aprovou decisão da Mesa

O deputado estadual Tito Torres (PSDB) foi favorável à decisão da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em suspender o pagamento do auxílio-moradia a deputados, inclusive, aos que possuem apartamento em Belo Horizonte. “Essa foi uma decisão importante e necessária. A medida foi discutida pela Mesa Diretora e Líderes de Bancada refletindo a preocupação da Casa com o atual cenário econômico de crise que nosso Estado enfrenta”, afirmou ao A Notícia, através de sua assessoria. No entanto, em 2015, em sua primeira legislatura, ele foi um dos deputados a votar favorável ao pagamento do benefício.
Apesar de possuir apartamento em Belo Horizonte, Tito Torres era um dos parlamentares mineiros que recebia o auxílio. O benefício, de R$4.377,73, era pago pela ALMG, mas foi suspenso, após deliberação da Mesa Diretora, publicada no dia 23 de fevereiro e que vigora a partir de março.
Depois da medida, a ALMG anunciou que os deputados estaduais que possuem imóveis em Belo Horizonte não vão mais receber a verba indenizatória. A partir desse mês, para receber o auxílio, será necessário que o parlamentar apresente um requerimento à Casa e comprove a despesa com aluguel de imóvel ou hospedagem na capital ou Região Metropolitana. Fica vedado também, segundo o texto, o uso da verba para custear despesas com condomínio, energia, telefonia, gás, água, lavanderia, limpeza, reforma, conservação, higienização, impostos e taxas, exceto a taxa de serviço, no caso de hotel, no limite de 10% do valor.
Os parlamentares também não receberão a verba quando tiverem imóveis na capital em seus nomes nos últimos 12 meses que antecedem o início do mandato. Aqueles que também tiverem cônjuge ou companheiro (a) que seja proprietário (a) de imóvel na capital ou que receba ajuda de custo para moradia ou auxílio-moradia de órgão da administração pública, também não recebem. Em janeiro, a Casa gastou R$173.640,55 para custear a moradia de parlamentares, mas não informa quantos receberam o dinheiro.