Usuários do transporte coletivo de João Monlevade entraram em contato com o jornal A Notícia nesta semana para reclam...">
Usuários do transporte coletivo de João Monlevade entraram em contato com o jornal A Notícia nesta semana para reclam..." />
Geral
7 de dezembro de 2018

Passageiros reclamam de "catraca dupla" em ônibus da Enscon

Reprodução
Novas catracas "duplas" têm gerado diversas reclamações de usuários

Empresa alega que "quem reclama é quem pula a roleta e não paga passagem"

Usuários do transporte coletivo de João Monlevade entraram em contato com o jornal A Notícia nesta semana para reclamar das novas catracas duplas instaladas em alguns ônibus da empresa Enscon Viação.
O morador do bairro Jacuí, Maciel Félix, criticou a colocação das novas catracas e afirmou que vários usuários estão insatisfeitos com o novo modelo. "As pessoas estão reclamando muito. Não dá para as mães passarem com crianças de colo, com sacolas e ainda há pessoas agarrando nas catracas. Isso tem que ser revisto, não deu certo. É um incômodo para os usuários", desabafou Maciel.
Outra usuária do transporte coletivo, a jornalista Flávia Henriques se mostrou indignada com a situação. "Fiquei estarrecida ao verificar que estava entrando numa espécie de jaula. Uma sensação horrível de desconforto e indignação. A questão é que quem pula catraca para não pagar passagem é a mesma pessoa que entra pela porta de trás do ônibus, como sempre vemos acontecer na Praça do Povo e na Praça do Lindinho. Como passar com sacolas de compras e bolsas grandes? É um absurdo", destacou.
Em resposta a alguns usuários, a empresa alegou que as catracas foram instaladas em determinadas linhas de João Monlevade obedecendo as normas estabelecidas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e segue as regras vigentes.
Procurada pela reportagem, a empresa afirmou que o objetivo é tentar reduzir o número de pessoas que pulam a roleta e roubam os usuários, ato que tem aumentado em João Monlevade. "O objetivo é dar mais tranquilidade aos usuários. Quem reclama do acesso é quem pula a roleta e não paga a passagem", afirmou a direção da empresa.